26.3.05

Retrato

Ergueu, com um ardor stakhanovista, uma barreira de palavras entre ela e o mundo, empilhadas em intermináveis fiadas, como tijolos. Depois aprisionou-se ali dentro: as palavras dela não passavam para o exterior, e as que de lá vinham batiam na barreira e voltavam para trás.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.