30.8.11

Credibilidade, quand tu nous tiens

Ou alguém mete este senhor na ordem ou não há credibilidade que resista.

"Desvio adicional nas contas da Madeira é o dobro do previsto"

Olhar, tempo

Olho para o Marquês que olha para a cidade que olha para o rio. Em breve tudo isto será passado; depois, pouco depois, será outra vez futuro. Penso no tempo, na cidade, em ti. Lisboa é só uma, tu és muitas. Ou ao contrário: tu és só uma, Lisboa são muitas, tantas quantas o tempo. Ilusão eterna do que foi, será, é. Hoje é. Somos - a cidade, o tempo, tu, eu, a desmesurada bandeira de Portugal que neste fim de tarde cinzento é bela, pela primeira vez. Sê-lo-á sempre, doravante: o que já foi é, e nunca deixará de ter sido.

Lisboa e o tempo, tu e eu; tu e Lisboa, o tempo e eu. A vida não é uma figura geométrica, mas se fosse seriam estes os seus vértices. Falta um: o mar. Mas no mar não há tempo, não há tu, nem eu, muito menos Lisboa: no mar não há nada se não o mar, nada se não a vida.

Prazeres incomuns

Quando ler o Jugular é bom, é muito bom.

29.8.11

Inadmíssivel

Vira o disco e toca o mesmo! A APL seria menos nociva se fosse privatizada.

28.8.11

Pequeno exercício paradigmático

Vai por aí grande alvoroço por causa primeiro de uma exposição que foi recusada na sala de uma companhia de seguros, e hoje de um artigo no Público sobre o Colégio Militar. Às senhoras e aos senhores que gritam indignados contra a censura, a repressão e outros que tais horrores eu sugiro que substituam "homosexualidade" por, sei lá, nazismo, ou negacionismo, ou o que for desse género. Talvez isso os ajude a compreender alguns direitos básicos e essenciais.

Ou, se preferirem coisas menos violentas, tentem ICAR ou homeopatia.

Realismo

Um agudo sentido da oportunidade aliado a um realismo sem falhas.

"Khadafi mostra-se disponível para falar sobre transição de poder"

26.8.11

Papas, tolos e taxas

Há qualquer coisa de nojento nesta história dos ricos e dos impostos. O Buffet diz, no seu artigo, que acha injusto ele pagar 17 e poucos por cento de taxa, enquanto os seus funcionários pagam 30 ou 40 por cento. Em vez de pedir para aumentar a sua taxa, porque não sugerir que se baixe a dos outros?

Além de que ninguém o impede de dar dinheiro ao estado americano, se ele quiser. Já o dá (e meritoriamente, note-se) a muitas causas sociais. Pode dá-lo ao Estado, se quiser.

Dos franceses então nem se fala: com a tradição de proteccionismo que o país tem, tá-se mesmo a ver o que virá depois de tanto altruísmo.

Sou pela flat rate, e tenho pena de não a ver mais discutida na praça pública neste momento de "mudança".

Claro...

...O que é preciso é que não haja ricos.

"Carvalho da Silva: Imposto sobre os mais ricos é "insuficiente".

22.8.11

Viva a democracia

Rui Tavares, na sua crónica de hoje do Público, usa o argumento da democracia para sustentar que a Alemanha deve pagar os excessos dos outros. Diz ele, cito, "(Sobre o último aspecto, note-se  que a crise já chegou à Espanha e à Itália, cujas economias e populações, juntas, são maiores do que as da Alemanha. Quando é que alguém vai dar um murro na mesa e dizer ao par Merkel - Sarkozy que, além de incompetente, o seu método de decisão dualista é antidemocrático?)"

Como há mais Portugueses do que Suíços, talvez se devesse fazer uma votação em Portugal para que seja a Suíça, e não a Alemanha, a pagar os automóveis e respectivos chauffeurs dos nossos governantes, vereadores, directores-gerais, polícias, tropas e qualquer borra-botas que tenha subido dois degraus e meio na escada da administração pública; as consultorias pedidas por amigos e feitas pelos amigos; os TGVs e respectivos estudos; a legislação produzida por deputados cuja única preocupação é fazer leis incompreensíveis, inaplicáveis e completamente desadequadas; os organismos públicos, empresas públicas, empresas municipais, institutos e ex-institutos; as subvenções, subsídios, campanhas; os estádios de futebol e as auto-estradas a triplicar e vazias; e de uma maneira geral todos os inúmeros canos pelos quais se dilapidaram os fundos estruturais, os fundos de coesão, os fundos Delors, os fundos de ajuda e mais outros não sei quantos fundos sem fundo que nos chegaram da "Europa" - entre aspas por razões óbvias. E se a Suíça não serve (o seu povo votou contra a adesão à Europa, vá lá saber-se porquê), podíamos exigir o mesmo, democraticamente, aos Holandeses, por exemplo.

21.8.11

Uma vida

Uma vida vai-se construindo pouco a pouco, como um puzzle peça a peça. Demora muito tempo a fazer-se, uma vida: 80 anos, por vezes mais. Algumas estão prontas aos vinte, mas não são bem vidas: ficam imperfeitas, incompletas, banais como seios siliconados num mundo cheio de rugas.

Um post ambivalente

Quem tem o vento consigo tem Deus.

E não há quem cale o homem?


É que já cheira mal.

18.8.11

"Mudança"

O poder não se cede, conquista-se. Não deve haver memória na história de uma elite que tenha voluntariamente cedido poder, perdido privilégios em favor do povo. A elite portuguesa, pequena e incestuosa como é, não será a excepção a esta regra universal.

Por isso tenho sérias dúvidas sobre a mudança em Portugal. A parte da elite que num determinado momento está no poder fará o que tiver de fazer para manter isto mais o menos na cauda do pelotão, mas no pelotão (é de lá que vem a massa) e ir para a frente custar-lhe-ia bastante em poder, influência, etc.

Dizem que as nossas elites são más. Eu não acho: têm-se perpetuado no poder - seria interessante ver onde estavam há cem anos as famílias dos que agora nos governam - conseguido acaparar lugares, jobs, massa apesar de para isso o país ser pobre. O que de certa forma é compreensível: quem vai abdicar de privilégios se ninguém lhe exige que o faça?

Quem não está contente ou se cala e faz pela vidinha ou emigra.

Algo me diz...

...mas eu ainda não confirmei, que as pessoas que se vão escandalizar com esta notícia são as mesmas que pensam que o Estado deve ter um serviço público de televisão.

17.8.11

O Jardim dos malucos

"Em regra, o jornalista não deve ser notícia. Mas toda a regra tem excepção. A Marta Caires, que já fez parte da equipa do DELITO, merece uma palavra de solidariedade pela sua firmeza perante a grosseria. O insulto é sempre a arma dos fracos. Seja na Madeira, seja onde for."

Não sei quem é a Marta Caires, mas sei quem e o que é Alberto João Jardim e acho que já há muito passou o tempo de pôr o senhor a andar. Espero que Passos Coelho seja tão firme com ele como tem sido com outros.

16.8.11

Auto-coisos

Li há dias, pela primeira vez, a expressão "ciclotontos". Como foi escrita por um tipo que tenho na conta de idiota mais ou menos completo não liguei. Mas hoje, durante o trajecto para Cascais, fui mais uma vez alvo de bocas idiotas, insultos gratuitos, etc. Bem sei que são agora muito menos do que há dois anos - onde antes ouvia, ou via, quatro ou cinco manifestações de imbecilidade agora oiço, ou vejo, uma ou duas.

Mas mesmo assim é chato, ao fim de um certo tempo. Não percebo por que razão um tipo que vai de automóvel se sente na obrigação de gritar debilidades quando passa por um gajo que rola tranquilamente o mais à direita possível da faixa de rodagem.

Por isso hoje ocorreu-me que talvez o idiota tivesse ali qualquer coisa, e que podíamos pegar em ciclotontos e dar-lhe um conteúdo mais correspondente à realidade. Automentecaptos, por exemplo.

Convidado

O café TATI convidou-me para cozinhar na sexta-feira. O menu vai ser:

Couvert - mezze mediterrânico
Tapenade
Tzatziki
Hoummus
Tarama (se)
Tchaktchouka (se se)

Entrada
Aspic de vinho com limão

Prato
Truta salmonada recheada

Prato vegetariano
Massa com tapenade

Sobremesas da casa

Os preços seguem dentro de momentos, mas não hesitem em inscrever-se; a política da casa é "alta qualidade a baixo preço" e vamos cingir-nos a ela (espero não lhes estragar a reputação).

As inscrições podem ser feitas directamente para o café Tati (213 461 279 / cafetatilisboa@gmail.com) ou para mim (lserpa@gmail.com).

O meu obrigado a toda a equipa.

Portugal profundo

Portugal só é bonito quando se sai das aldeias. Uma boa casa de emigrante estraga qualquer vista num raio de cinco quilómetros.

(Infelizmente agora há as eólicas, para estragar também os campos. Mas não conseguem destruí-las, essas sublimes e ventosas paisagens; só as amachucam um bocadinho. Parecem aparições mal paridas).

Amo-te, e trinta por uma linha

Que faz à janela uma mulher tão feia? É loira, ri muito; fala ao telefone. Queria perguntar-lhe onde jantar, mas ela fala muito e ri-se, grata (isto sou eu a inventar. Não sei se está reconhecida por alguém lhe telefonar; não a ouvi sequer falar). Jantar é complicado. Todos os dias. Encontrar a mistura certa de pessoas que se querem ver, escolher um empregado que fale ou que não fale, um sítio que se conhece ou ir à aventura, sabendo que as probabilidades de sair desiludido estão a nove contra um. Mas que diabo. E com Lisboa cheia de turistas e de mulheres feias (as bonitas combinaram e foram todas de férias?) escolher um restaurante é uma tarefa sisífica. "As coisas são como são e não como deviam ser". Dizes-me isso todos os dias para te vingares do que te digo todos os dias também, vinte vezes entre o nascer e o pôr do sol, e metade disso entre o pôr do sol e o momento em que, de olhos fechados, já não ouves o que te digo. "Amo-te", e trinta por uma linha.

Digo-to todos os dias e hoje queria dizer-to de novo, mas o telefone impediu-me. Insurgiu-se, revoltou-se e disse-me "está calado e cala-te". Obedeci-lhe, claro: nunca se deve desobedecer a um telefone - pergunta à loira feia e grata da janela.

Os homens deviam, pelo menos uma vez por semana, abordar uma desconhecida (na rua, à janela, na bicha do supermercado ou no dentista; pouco importa onde) e tentar seduzi-la. Desde que, obviamente, tenham as probabilidades todas contra eles: nada como uma boa tampa para perspectivar correctamente a tristeza. (Se as tiverem a favor não conta: contribui erradamente para a auto-estima). E se a tampa não vier, lutar por ela (pela tampa, não pela desconhecida): levá-la a um restaurante que não conhecem, do qual nunca ouviram falar; falar ao telefone durante o jantar; contar anedotas sem piada.

É preciso lutar por um fracasso; são esses os únicos que valem a pena. Fracassos que nos caem do céu não merecem respeito.

Feriado

É feriado, e as ruas da cidade onde não chegam os turistas estão vazias como um rio do deserto.

Serviço público - Restaurantes Lisboa

O retaurante era pequeno (meia dúzia de mesas), acolhedor, a ementa variada - pratos portugueses, italianos e indianos- e o proprietário aliciou-me a entrar com simpatia e humor.

Infelizmente é isso tudo e é também uma fraude: as lulas roçavam o incomestível, de salgadas; a conta foi inflacionada em um euro e trinta (um euro e trinta! Valerá a pena?); a televisão estava aos gritos ("não é televisão, é DVD de espectáculos", fui esclarecido).

Quando se convencerão os restauradores portugueses de que as pessoas que querem ouvir música, ou ver televisão ficam em casa, não vão comer fora?

Restaurante A Casa, rua dos Remédios 127 (Alfama). Comensal avisado passa ao largo e não se deixa tentar. Há melhores remédios.

12.8.11

Diário de rodas

Os lisboetas sabem que por estas bandas temos os meninos da Linha; e os ciclistas (suponho que por todo o país) conhecem os meninos da licra. Estão bem uns para os outros, nada contra qualquer das categorias.

Excepto quando se vai a uma loja de bicicletas cujo preço mais baixo anda pelos quatro algarismos com o objectivo de se comprar um raio e a resposta é "não sei se tenho essa medida, mas mesmo que tivesse não lho poderia montar, porque blábláblá hospital bláblá sozinho bláblá".

(Aproveito para deixar uma palavra de apreço pela Cenas a Pedal, e pela infinita paciência e ainda maior - não é matemática - competência do Bruno: têm sido notáveis. A roliça Rolex precisa de assistência permanente, coitada, coisa nada rara nas bicicletas novas e a Cenas a Pedal tem sido um verdadeiro e eficaz SNS para gerontes de duas rodas).

PS - E para gerontes em duas rodas também, mas isso é outra história.

Passado ausente(-se)

"Não fodo muito com o passado, mas fodo bastante com o futuro", canta mais ou menos Patti Smith (o "mais ou menos" refere-se à tradução, não ao cantar da senhora). Seria bom que se começasse a injectar nas mentes portuguesas, jovens e menos jovens, esta ideia. Chega de passado, de Vascos da Gama, de "Saudade"; vamos para a cama com o futuro, porra!, que o passado já fede. Toda a gente anda com ele ao colo, mas ninguém o lava. Toda a gente fala dele, mas ninguém o conhece realmente. 

10.8.11

Sobe sobe balão sobe

Depois da descida do dólar, eis mais um tiro no pé da S&P, que devia estar a ajudar o dólar a subir e o euro a descer. Assim não vão lá.

Além de que não se percebe como é que no meio de uma gravíssima crise internacional, global e mesmo blablablal há países que sobem de classificação. Devíamos mandar para lá os nossos génios da Voodoo School of Economics, para pôr a Estónia em linha com o resto do mundo. Ou mesmo a infalível dupla Santos&Sócrates que tantos resultados obteve no nosso país.

"Standard and Poor's sobe rating da Estónia em dois níveis"

Adenda: Mais uns que não percebem nada de economia - "Suíça volta a intervir nos mercados para deter a subida do franco"

Sorte

Estendes a pele na cama e pedes-me que me estenda nela. Acedo e acedo a ela, a ti; aceso, acendo-te. Não falaria nunca da tua pele como uma planície, ou o mar, ou o tempo ou o chão em chamas. Não falaria nunca do vento que te percorre a pele, nem da luz, ou dessa longa fita de desejo que começa em mim e em mim acaba depois da volta ao tempo, ao mundo, ao mar. Não falaria nunca de desejos que irrompem como chamas das entranhas da terra, de nádegas como dois quartos crescentes que não sabem como não crescer, de mãos inábeis, impacientes. Não te falarei nunca de lábios ansiosos, de olhares infinitos, dessas banais tretas todas: o silêncio é uma sorte irrecusável.

Seios, tempo, eternidade

Se houvesse dias perfeitos seria possível descrever os teus seios; e imaginaríamos o tempo como as mãos que os percorrem; ou a sensação que elas produzem (ou recebem?) ao percorrê-los.

Mas não há dias perfeitos: há mãos imperfeitas que percorrem seios perfeitos; e o tempo não passa do intervalo entre um e outro (seios, percorrer). Talvez o tempo seja isso mesmo: o espaço que há entre a perfeição e o imperfeito. Ou talvez não: isso parece-se mais com a eternidade.

A tua pele.

Luz

A luz escorre por ti; descubro que a luz sou eu. Nos dedos o sol a tua pele o rio no membro e nos teus seios a ponte, como se fôssemos um. No jardim apareces-me, magnífica mentira, sorridente como os dias sem amanhã, sem ontem. És leve e sem bagagem - nem as nuvens, coitadas. Mas somos feitos de ontens, e fazemos amanhãs. Hoje é uma ilusão de óptica, bengala de cegos nos passeios do tempo. Hoje és tu, e eu; amanhã seremos, serenos.

Piscina

Alguém comparou o desejo a uma piscina. Provavelmente um milhão de pessoas, até hoje.

Ou seja: há por aí um milhão de piscinas; mas a minha, fica sabendo, é a única.

Irish Pub

I
Tenho tanta pena de não gostar de Guinness (mas gosto de Paddy, Tullamore Dew, Bushmill's et al.).

II
Bebo whiskey a sonhar com rum. Conta como traição?

Retrato

A mulher é magra, parece feita por agulhas de Mikado.

Tempo, ratos

De quanto tempo precisa um rato para deixar de ser rato e poder abandonar o navio?

Gostos, desgosto

Três mulheres à mesa. Uma é preta retinta, magra, frágil; outra mulata e redonda, cheia, bonita; a terceira é branca, loira, versão pálida da primeira. "De qual gostas mais?" "De todas".

Cabelos

Cabelos pretos, alma funda.
Cabelos claros, alma de fogo.

Londres

London Calling

Recomeçar

Vou muitas vezes ao parking onde a toquei pela primeira vez. É o quinto piso de um estacionamento subterrâneo, quase sempre vazio. Sento-me numa boca de incêndio e espero que ela apareça: 4 x 4 urbano, cabelos pretos como o pecado e um desejo de fazer o carro latejar. Toquei-lhe primeiro os seios, depois o baixo ventre: um pântano iluminado por dois faróis. Tinha um ventre liso e sentava-se muito direita no carro, como se estivesse a ser inspeccionada para a tropa, ou num aeroporto.

Mas nunca mais apareceu. Sento-me e vejo cimento cinzento, com traços brancos a delimitar o desejo.

8.8.11

Paráfrase

Os infelizes que me perdoem, mas a felicidade é fundamental.

Saber e não

Uma das coisas que mais me fascina quando navego com pessoas que têm menos experiência da navegação do que eu é a resistência que muitas fazem a aprender o que quer que seja de uma área que, para elas, não passa de um hobby.

Há várias razões para este fascínio: primeiro, porque é uma negação da realidade. A minha experiência da navegação pode ser quantificada; a minha passagem pela Escola Náutica Infante D. Henrique está comprovada, não é um "achismo". O que sei de navegação aprendi-o formal e empiricamente, comprovadamente o melhor mix de aprendizagem. Segundo, porque, como disse acima, a navegação para essas pessoas é um hobby, quando para mim é uma profissão: não há (ou não devia haver) rivalidades profissionais em jogo. Terceiro, porque essas pessoas preferem correr riscos (como foi recentemente o caso, com nevoeiro no Tejo; antes disso numa ida à Venezuela, e em várias passagens que fiz nas Caraíbas) a ouvir um profissional que só por manifesto erro continua a querer ensinar quem não quer aprender. Quarto, e último, porque quando navego com alguém que sabe mais do que eu - e que muitas vezes não sofre da minha irrepressível (e intrusiva, no justíssimo dizer de um amigo querido) tentação pedagógica - tento não perder uma migalha do que faz, para aprender.

Sei que se passa a mesma coisa na informática - ponham um computador nas mãos de quem quer que seja e em dois meses essa pessoa sabe mais do que o conjunto de programadores da Microsoft. Mas não sei se se passa com outras profissões.

Tenho pensado no assunto vezes sem conta e começo, só agora, a chegar a algumas conclusões. A primeira é que esta atitude é mais frequente em amadores do que em profissionais - a imagem de Ellen Mcarthur a entrar em minha casa e cinco minutos depois perguntar-me a minha opinião sobre um determinado fenónemo climatérico português é apenas o epítoma disso; há muitos mais exemplos (para a petite histoire: discutimos o assunto, mas no fim eu disse a Ellen que quem lhe devia perguntar as coisas era eu, e não ela a mim). Outra, é que tem a ver com as profissões das pessoas - se forem boas naquilo que fazem profissionalmente terão mais dificuldade em aceitar que o não são noutras. Acresce que muitas não vêem que aquilo que para elas é um hobby é para mim uma profissão (e a verdade é que isto acontece muito mais frequentemente quando estou a fazer uma viagem com amigos do que quando navego profissionalmente). Por outro lado - e não penso ter esgotado a lista de razões, mas fico por aqui - a expressão "em minha casa faço como quero" aplica-se ainda com mais força a bordo de uma embarcação de recreio do que no domícilio de cada um.

Com o tempo fui aprendendo a não dizer nada quando vejo pessoas de quem não gosto fazer asneiras; agora vou aprender a fazer o mesmo com aquelas que aprecio e de quem sou amigo e controlar, finalmente, a minha mania de partilhar o que sei, tão chata.

Nota: a atitude de que falo neste post não é exclusivamente portuguesa, muito longe disso. E deve estar na raiz de uma particularidade da legislação francesa que me sobressaltou um bocadinho: em França o responsável por um acidente a bordo não é forçosamente o skipper formal e anunciado; é a pessoa a bordo que tem mais experiência, quer a autoridade lhe tenha sido reconhecida pelo armador ou pelo skipper quer não. Especifidade essa que me levou a começar a anunciar previamente, quando embarcava como tripulante e me apercebia de que o skipper percebia tanto daquilo como eu de cirurgia não intrusiva que a aplicaria, e que se não estivessem de acordo mo dissessem porque ainda ia a tempo de desembarcar.

2.8.11

Para que serve a literatura?

Um gajo lê Eça, olha para o país e tem a resposta à pergunta "para que serve a literatura?"

1.8.11

Definição

A solidão é uma das formas do altruísmo.