31.1.19

Má-educação?

Bodega Bellver, Palma. O homem conhece-me há um ano e faz-me trombas como no primeiro dia. Faz a toda a gente, não é só a mim.  Creio que o vi sorrir uma vez, talvez duas. Pode dizer-se dele que é mal-educado?

Panamá: os panamianos desconhecem o uso de fórmulas de boa-educação. Bom dia, boa tarde, olá, obrigado, de nada, por favor são-lhes expressões tão estranhas como à maioria dos portugueses o Tao Te-King no original.

Pergunto-me se isto é verdadeira má educação. Esta requer que se infrinja um código, de antemão conhecido e partilhado com o interlocutor. O semi-anão da Bellver, os panamianos não estão a infringir código nenhum. Estão a ignorá-lo, na melhor das hipóteses. Na mais provável, ignoram-no.

Não é má-educação, nem sequer falta dela. É outra coisa, outro código.

Há um médico na sala?

Doutor, o sintoma é permanente e recorrente: quero estar em qualquer parte do mundo, excepto no sítio onde estou. É grave, Doutor? Cura-se?

Palavras, frutos

(Espalha-se-me radicalmente a palavra pelo corpo todo, no sentido mais radical do termo: raízes). 

Palavras que como raízes tu me espalhas pelo corpo, palavras regadas cada vez que respiras, cada vez que me olhas. Assim as palavras vão crescendo e delas os ramos, as flores, os frutos. Na azáfama da flor crescem sílabas, futuros, a mão hesitante de um amor nascente, um olhar que se interroga.

O que se constrói a dois, o que se diz, faz a dois? Que nome dar ao fruto da palavra?

Imagino a pele e nela a palma de uma mão, vejo-te simultaneamente fruto e raíz, palavra e silêncio. Espalhas-me silenciosamente raízes nas palavras. Frutos moldados a dois, digo-te, duram mais tempo, dispensam frigorífico, são mais apetitosos. Respondes-me com um rio, chuva e vento.

Talvez. As palavras dão frutos, é tudo o que agora sei.

(Para a R., com um beijo)

29.1.19

Diário de Bordos - Barcelona, Catalunha, Espanha, 29-01-2018

De novo nesta cidade que já amei, odiei, amei, detestei (e agora amo e detesto simultaneamente), uma cidade onde vivi alguns dos monentos mais estranhos da minha vida (e Deus sabe se ela os tem), mais horríveis, uma cidade que me esmaga com a sua imponência que não consigo deixar de pensar falsa, como se fosse de cartolina e na qual ja fui esmagado pela solidão e pela tristeza, a cidade mais cosmopolita e ao mesmo tempo chauvinista do mundo, aldeia complexada e fechada cheia de estrangeiros, mediterrânica sem nada que a assemelhe por exemplo a Marselha, cidade enganadora - até agora: tinha jurado nunca mais pôr os pés num gastropub, encontro-me no Obama, desde há muitos anos um dos meus locais favoritos e que descubro? - Que se tornou um gastropub, cheio de televisões enormes em tudo quanto é canto; mas continua a ser um sítio lindo "English American Bar", com um painel à porta a anunciar jogos de futebol, como é que um sítio tão bonito pode cair tão baixo? No fundo é um bom resumo de Barcelona: aldeia que se crê cidade, rameira que se imagina senhora,  pub que se anuncia gastropub. Desde quando? Terei eu vindo cá e isto já tinha estas televisões enormes? Penso que não, primeiro; depois fico-me nas tintas. Que importa? É Barcelona e o seu insuportável linguarejar, há restaurantes que já nem o menu têm em espanhol, puta que os pariu mai-lo catalão, parece uma língua falada por aldeões bêbedos de regresso de uma orgia com vacas e ovelhas.

Tive uma reunião de manhã que correu bem, muito bem, trouxe-me à memória aquele guru da gestão que dizia a Portugal "you have a brilliant future on your past", em inglês porque cito (de memória mas cito), pergunto-me quem era o homem, um daqueles consultores a quem demos milhões de euros para dizer baboseiras, evidências ou simples parvoíces. A mim ninguém me deu milhões de euros, claro, antes pelo contrário, só não fiquei de cuecas porque não as tenho, mas fiquei pior ainda. Aqui há uns tempos escrevi "tenho de ir ali pôr ordem no meu passado", ou coisa que o valha e sim, é verdade, é isso mesmo: tenho de pôr ordem no meu passado e esta reunião foi um grande passo nessa direcção.

Bom, mas nisto o melhor é sempre olhar para a frente e cagar no passado, de resto é assim que os respectivos orgãos estão organizados no nosso corpo, os olhos para a frente o cu para trás, alguma razão há-de haver para isso.

De maneira bebo um copo de Sirah e espero o senhor da reunião das seis, está quase a chegar, diz-me pelo whatsapp. Não olho para as televisões - uma está apagada, a outra estraga a decoração de uma parede inteira, isto chama-se Obama provavelmente porque tem uma decoração baseada em fotografias e objectos do período colonial em África. O Obama era preto, portanto compreende-se. A mesa onde estou sentado e as que estão ao lado até dizem The Metropolitan University of Mombasa, Cape Town and Durban, lá está, para fazer a ponte com o patrono do lugar, de quem de resto um gigantesco busto esculpido em madeira pintada de preto (não acredito que seja pau-preto) ornamenta a entrada.

Depois disto volto para o aeroporto. Apesar de tudo está mil Obamas abaixo disto. A menos que tenha tempo para ir a pé até à baixa e apanho lá o Metro, história de me esmagar mais um bocadinho.

Adenda - o busto do homem já lá não está. "Foi de férias", diz-me a empregada, que tem humor para dar e vender. E me explica o porquê das mudanças: o bar tem um novo dono. Não percebo por que raio de carga de água as pessoas compram coisas bonitas para as estragar. Antes comprá-las estragadas para as embelezar. Sim, consegui ir a pé até à Ciutat Vella e comer no La Viena Blanca, vermute soberbo, croquetes e lasanha idem, fica na Pintor Fortuny 10, caso precise de lá voltar. Precisarei de certeza.

28.1.19

Queda, tempo

Escorregamos pelo tempo, por aí abaixo sem termos onde nos agarrar excepto talvez às vezes, lá aparecem umas pegas: mar, nuvens, um sorriso que nos atrai mais do que os outros todos juntos, vá lá saber-se porquê, o trompete do Miles Davis ou os cânticos de Hildegarde, um olhar desajeitado, a ideia provavelmente falsa de que podemos adiar a queda.

Não podemos. Quando muito podemos dar-lhe sentido, o que já é muito e é uma sorte.

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 28-01-2019

Hoje tive de ir ao STP. Cada vez que lá vou dou graças a Deus. O STP é o maior estaleiro de Palma. Recebe iates (poucos), super-iates e mega-iates (muitos). Os barcos estão fora de água e para quem gosta deles um passeio pelo STP equivale a um desfile de modelos para um tarado sexual. Com as senhoras todas nuas, claro  (enfim, não precisa de ser tarado. Basta ser sexual).

Os barcos mais bonitos do mundo estão à vista, varados, a receber cuidados - refits, reparações, manutenção periódica -. Não os há feios: só bonitos, muito bonitos, belos e obras-primas. Centenas de pessoas afadigam-se em torno deles. O STP tem cento e tal empresas lá dentro, sem contar com as que vêm de fora. Recentemente adquiriu o maior travelift da Europa, pelo que daqui a uns meses estará a receber botes ainda maiores (a maioria dos quais ainda mais bonitos).

Infelizmente a missão que me levou ao STP não correspondeu ao prazer que tive a visitá-lo e saí da lá com as mãos a abanar. Paciência. A vida é assim, feita de sins e de nãos, de subidas e descidas - e todos sabemos que aquelas são mais do que estas.

........
Amanhã vou a Barcelona, falar com uma agência para ver se encontro um poiso para o P. no Verão. Continuo a acreditar que em breve estará pronto para trabalhar, apesar de ter poucos argumentos a favor desta ideia. É contudo inegável que os argumentos de nada valem contra factos e é por estes que devemos lutar. O resto não passa de esperança, que nem para encher chouriços é boa.

27.1.19

Palavras: esquadriada

Ouvi recentemente a palavra esquadriada. É uma palavra bonita: esquadriada. Referia-se a pedras cortadas em ângulos rectos, paralelepípedos perfeitos, regulares, do tempo dos romanos.

Infelizmente é uma palavra com certas limitações: só se pode aplicar a pedras, madeira, metal. Talvez à cerâmica também. Mas não se pude usar para qualificar uma vida, por exemplo. Uma vida esquadriada? Traçada a régua e esquadro? Há vidas assim?

Ou a amores: um amor esquadriado? Como seria, um amor só com ângulos rectos e arestas direitas, regulares, bem traçadas, tão bonitas que mal parecem arestas?

26.1.19

Von Bingen

Devia fazer-se uma lista da música que se quer ouvir quando não se sabe o que se quer ouvir.

Lou Reed
Patti Smith
Karen Dalton
...

Não vale a pena. Acaba-se sempre na Hildegarde.

Carne de porco frita à S/Y PANDA

No outro dia fiz uma mistura de pão ralado (fino), queijo ralado (idem, Grana Padano) e pimentão picante aqui da ilha (em pó, claro. É particularmente bom). Nessa mistura pus carne de porco cortada aos bocados e envolvi tudo muito bem. Depois fritei a carne em azeite e banha, acompanhei com batatas salteadas e comi. O vinho foi o de sempre: Intense, um vinho a granel que compro na ES20 (se algum dos meus generosos e tolerantes leitores vier a Palma, sugiro vivamente que vá a essa loja, quanto mais não seja para beber um vermute, ele também a granel).

Hoje reaqueço o que ficou do outro dia. Com uma rodela de laranja e salsa picada por cima teria sido um sonho. Assim simples como foi - a carne e vinho tinto - foi só optimo, o que já não é mau.

Migalhas, penas, simplicidades

Se há coisa que agradeço (não sei a quem, mas agradeço) é esta capacidade de ser feliz em dias como o de hoje sem ter de perguntar porquê, sem me sentir a hiena da anedota.

Ser feliz com evidências, com migalhas: um dia bonito, uma bicicleta que é "um tanque" (aspas porque cito), um vermute no Aurélio (ou dois, vá lá), iscas de fígado, Ornette Coleman Dancing in [my] head, uma senhora a quem a distância não impede de pensar em mim (ou eu nela), o piscar de olhos da vendedora de legumes no mercado quando lhe chamo cariño, a ideia de que a vida é um conjunto de engrenagens e desde que elas funcionem tudo funciona, rum assim-assim, pensar que valeu a pena... O que é que valeu a pena? Tudo. E não no passado, mas no presente: Tudo vale a pena.

É de uma simplicidade exaltante.

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 26-01-2019

Um post dedicado às bicicletas:

- A vexata quaestio das quedas: o tema é delicado. Todos sabemos que a deslocação em bicicleta implica riscos acrescidos de queda, mas não é por isso que deixa de ser humilhante. Ontem caí. Foi uma queda pouco aparatosa, ia devagar num piso que sei escorregadio e a roda da frente derrapou. Nada em mim sofreu excepto o ego. Depois ocorreu-me que é a minha primeira queda em Palma, tanto quanto me lembro. Ou seja: em nove meses caí uma vez (talvez duas. Creio que uma vez a bicicleta bebeu de mais e se revoltou contra mim, mas não me lembro). Isto ajuda a matizar a humilhação, mas de forma alguma a anula.

- Ivo, o senhor que me repara as bicicletas está feliz com a Órbita. Reparou-a toda, pôs-lhe peças, fez trinta por uma linha. "Só não a vou limpar demasiado", explica-me, "para não chamar as atenções". (Refere-se aos filhos da puta que roubam selins, rodas e até bicicletas inteiras). Fico contente por ele. É verdade que também estava a gostar da velha Órbita Estoril II, mas apesar disso não me custou muito separar-me dela. Aqui entre nós, penso que estava a ficar um bocadinho farto; tenho é vergonha de o admitir. Infelizmente algo me diz que me vou fartar da Panter ainda mais depressa. Por enquanto ainda há o desafio de me habituar ao contra-pedal, mas estou curioso de  ver o que vai acontecer quando o dominar.

- Enquanto isto, a burra de Puerto de Andratx languesce ao sol e à chuva. Coitada. Aborrece-me sabê-la ali tão pouco usada e sem cuidados.

- Hoje fui fazer compras. Está um dia lindo, cálido, azul, feito para a bicicleta e para Palmear.

- Se isto continua assim qualquer dia não sei andar a pé. Caio a cada esquina.

25.1.19

Tempos, amor

Há malta que sobe as encostas com os skis nos pés, durante horas, para depois as descer num ápice; outros preferem deslocar-se de bicicleta, apesar de saberem que a subida de uma encosta é muito mais longa do que a respectiva descida. Cozinhar leva mais tempo do que comer o que se cozinhou - seja o que for que se coma, se se incluir em "cozinhar" o tempo da compra, preparação da comida e o da lavagem de loiça.

Subir leva sempre mais tempo do que usufruir da razão pela qual se subiu. Com a inesperada excepção do amor: dura mais tempo do que aquele que levou a construir, se tiver sido bem construído.

23.1.19

Do silêncio

Não basta saber escrever, cantar ou tocar um instrumento. É preciso ter alguma coisa a esconder, a calar.

Amor, memórias

De que são feitas as pessoas que amamos? Ou melhor, de que é feito o amor? Das memórias do passado, usadas e gastas ou de memórias novas, virgens, prestes a ser construidas?

21.1.19

Reedição - Isabel, uma continuação sem fim

Continuação sem fim (nada nunca tem fim, só princípio)

Encontrei a senhora no comboio. Ofereci-lhe um enorme ramo de flores. Ela não sabia que as flores não eram minhas: sou empregado de uma florista sem dinheiro, que me obriga a entregar as encomendas de metro, autocarro, comboio. Já lhe pedi uma bicicleta, ao menos, mas nem para isso a minha patroa tem dinheiro. Não sabe dizer que não a um cliente e quem perde é ela.

Pouco importa: vi a mulher no comboio. Apaixonei-me por ela imediatamente: nem demasiado bonita nem demasiado feia, o seu sentido de humor sobressaía no seu olhar como a marca de óculos de sol num rosto bronzeado. Dei-lhe as flores num gesto impulsivo: gostei dos cabelos despenteados, dos traços finos, do olhar trocista. Estávamos longe da próxima paragem; devia falar com ela. Não lhe disse nada. Nada. "Ofereço-lhe, minha senhora, estas flores porque simpatizei com a sua cara; porque é bonita; porque as merece; porque oferecê-las me põe numa situação periclitante". Nada. Ou: "Algo em si atraiu estas flores, não fui eu que lhas dei". Talvez devesse ter-lhe dito: "Não fui eu: foi você que ofereceu a si própria estas flores por meu intermédio. Um pobre imbecil veio cá comprá-las hoje de manhã. Queria, disse-me, um bouquet "conservador". "Conservador", foi este o termo que empregou".

- Ofereço-lhe, minha senhora, estas flores. Espero que goste delas. Se não gostar, não me diga, por favor. Prefiro a ignorância, sabe? É ela que me faz viver. Ou a esperança, são a mesma coisa.

O comboio parou. Era um desses comboios suburbanos, cheio de caixeiras de supermercado, vendedoras de roupa de marca, contabilistas e bêbados precoces. Saí sem a ver e só no cais me apercebi que ela também saíra. Tinha um andar desengonçado, como se quisesse ter uma perna mais curta que a outra. Levava as flores bem altas, visíveis e olhava em frente. Eu queria voltar para trás, ir buscar mais flores, refazer a encomenda original.

Claro que não: queria segui-la, ir para casa dela, deitá-la numa cama e apaixonar-me melhor. Nessa altura procurava desesperado uma mulher, se possível sem filhos, quarentona recente ou trintona tardia (gosto de mulheres mais velhas do que eu, sempre gostei), com sentido de humor e um aspecto geral, como dizer?, sensual. Objectivos esses inalcançáveis sem me apaixonar, claro. Por isso me apaixonava: por uma professora indiana entrevista à porta da universidade, por uma empregada ucraniana no café, pela secretária da pessoa com quem me iria encontrar para um emprego. Apaixonava-me a torto e a direito, mas nunca tinha oferecido flores - que ainda por cima não eram minhas -.

Enfim, acabei em casa dela, em pleno campo, numa cama enorme e ruidosa. Nesta ordem: primeiro ela, depois o campo, depois a casa, depois a cama, depois o ruído.

II
Quando voltei à florista dois ou três dias depois fui despedido, naturalmente; mas fiquei a viver com a Isabel, que era um emprego a tempo inteiro. De manhã dava de comer e beber aos numerosos animais que ela mantinha: um porquinho-da-índia, um coelho anão, dois cachorros, meia dúzia de caracóis e um gato; passeava os cachorros no jardim à frente de casa; comprava os legumes frescos para o dia no mercado biológico; passava o aspirador; fazia o almoço; lavava a loiça; dormia a sesta; passeava os cães; fazia o jantar. A todas essas tarefas me dedicava grato: tudo era melhor do que ter de oferecer flores no comboio à primeira senhora gira que encontrava.

Isabel não tinha uma perna mais pequena do que outra: tinha-as iguais, pequenas, bonitas, mas arqueadas. Montava a cavalo desde miúda, com a mesma energia e determinação com que me levara para casa. O cavalo, um alazão enorme, completo, chamava-se Red Promise e tinha uma potência ilimitada. Uma vez vi-o saltar um metro e sessenta parado. Parado. Nos concursos era um prazer vê-lo: arrancava num galope desenfreado para os obstáculos e quando parecia que ia levar tudo pela frente reduzia a velocidade e levantava vôo na vertical, como um helicóptero.

Era arquitecta, passava muito tempo em casa e longos períodos fora, porque tinha obras pela Europa toda. Não sei o que viu em mim, eterno aprendiz de fotógrafo e moço de recados de uma florista falida. Eu sei o que vi nela.

III
Nunca saberás, meu amor, quantas horas de metro, quantos quilómetros de vida, quantos olhares cruzados me levaram a ti.

20.1.19

Receita para fazer um amor

Um amor é o encontro de duas liberdades, mas é também o encontro de duas solidões. Todavia, é importante lembrarmo-nos de que liberdades há muitas e solidões há só uma. As liberdades são como os silêncios: cada um a sua. Já as solidões são mais simples, coitadas.

Sonhos, mulheres

É mais fácil esquecer um sonho do que uma mulher, apesar de pertenceram à mesma família.

19.1.19

Real?

Sem uma dose de irrealidade, sem um lado onírico, demente, louco, ilógico o real não passa de uma farsa. 

Zeros hidrográficos

Bebo muito mas não bebo de mais. Excepto, claro, quando o nível "demais" muda sem dizer nada a ninguém (ninguém sou eu). Dois copos de vinho hoje são de mais, ontem não foram nada e amanhã? Não sei. Continuo a beber tranquilamente os mesmos copos de vinho de sempre. Ao contrário do zero hidrográfico das cartas, o meu zero hidrográfico pessoal muda todos os dias.

O que as palavras são, às vezes

As palavras às vezes são flechas; outras, tartarugas mortas na praia. 

Coisas que tendemos a esquecer ou mesmo a não ter presentes:

"Repitámoslo: no hay nada nuevo. Dostoievski lo describió en Los Demonios: la hipocresia, la corrupcion intelectual, la fascinacion por la violencia, la adicción al poder y un conformismo ilimitado son típicos de demasiados intelectuales.

Todo esto es cierto. Pero es igualmente cierta la larga lista de poetas y pensadores que no han caído en las garras de esta corrupción intelectual y que han seguido siendo leales a sus obligaciones morales para con el mundo del espíritu. Para nombrar solo a unos pocos: Thomas Mann, Ósip y Nadezhda Mandelstam, Arnold Schönberg, Dietrich Bonhoefer, Joseph Brodsky, Hermann Broch, Albert Camus, Paul Celan, René Char, André Tarkovski, Václav Havel y el mismo George Steiner, Steiner, a contracorriente, ha permanecido fiel a su proprio código moral intelectual´, a su vocación de «invitar a otros a entrar en el sentido», sin ceder al nihilismo, al populismo ni a la politización."

(Rob Riemen, Director Fundador do Nexus Institute,  in George Steiner, La Idea de Europa, Introdução, Ed. Siruela, Biblioteca de Ensayo)

18.1.19

Da série "pérolas do Don Vivo"

Um barco é uma pessoa a quem Deus esqueceu de dar o sopro. Nunca se recompôs, claro e agora ou se vinga se tu o esqueces ou te agradece reconhecidamente se te lembrares disso e lhe deres tu essa vida que tanto lhe falta.

17.1.19

Analogias silábicas

Como se fossem sílabas: juntos formam uma palavra; separados não fazem sentido.

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 16-01-2018

Estes filhos de um comboio de putas roubaram-me o selim da Órbita, um selim novo, lindo e confortável. Não comprei outro: vendi a burra. Vender não é bem o termo, mas que se lixe. Quando a comprei já sabia que não a venderia mais cara do que agora vendi e quando gastei três vezes o valor da compra em coisas e afinações diversas (entre as quais o selim agora roubado) também. Fiquei só com a Panter, que tem um velho e rodas mais velhas ainda. O meu amigo R. chamar-lhes-ia hijos de una reputa madre e acho que está mais ou menos bem dito. Me cago en Dios, desculpem a auto-citação.

.........
Antiquari, Sifoneria, Ca La Seu, Moltabarra e Biblioteca de Babel. Estive fora cinco dias e parece que foi um mês. 

15.1.19

Serviço Público - Restaurantes no Porto

Não é bem bem um restaurante, é uma hamburgueria, mas é excelente (outra coisa não seria de esperar, tendo os donos que tem). Chama-se Burger Point, fica na Rua de Santa Catarina 800. O sítio é bonito, o serviço impecável, sorridente e atencioso, a carta tem um vasto leque de opções e a carne é óptima.

14.1.19

Serviço público - Restaurantes em Évora

À procura de um restaurante em Évora? Em caso de dúvida, esquecimento temporário ou obras espúrias alhures: Café Alentejo. Outra vez: Café Alentejo. Podem repetir quanto quiserem.

(Já não têm o piripiri caseiro).

(A Associação dos Deficientes das Forças Armadas também era muito bom. Estará aberta? A senhora moçambicana que lá trabalhava ainda lá está e faz o melhor piripiri a norte do Rovuma? Tinha uma vantagem muito grande, para mim pessoalmente a título pessoal: não discriminam entre deficientes físicos e dos outros).

13.1.19

Domingos, Ferreiriana

O futuro

Aos domingos, iremos ao jardim. Entediados, em grupos familiares, Aos pares, Dando-nos ares De pessoas invulgares, Aos domingos iremos ao jardim. Diremos, nos encontros casuais Com outros clãs iguais, Banalidades rituais, Fundamentais. Autómatos afins, Misto de serafins Sociais E de standardizados mandarins, Teremos preconceitos e pruridos, Produtos recebidos Na herança De certos caracteres adquiridos. Falaremos do tempo, Do que foi, do que já houve... E sendo já então Por tradição E formação Antiburgueses - Solidamente antiburgueses -, Inquietos falaremos Da tormenta que passa E seus desvarios. Seremos aos domingos, no jardim, Reaccionários.
Reinaldo Ferreira 

Questões etárias

Entrar por ela adentro e descobrir que na cabeça não há nada tanto pode ser benção como maldição. Depende unicamente da idade.

12.1.19

Diário de Bordos - Lisboa, 12-01-2019

És puta peganhenta, Lisboa. Não largas um gajo nem que ele se esconda nos recônditos. Quanto mais ele foge de ti mais se te apega.

És parte dos recônditos...

.......
A perfeição é assim: há que procurá-la no sítio certo: nós. E estende-se. Este dia perfeito, por exemplo, começou ontem com um jantar perfeito em Sintra. Continuou depois com dois mojitos perfeitos e sem açúcar no bar mais improvável do mundo. Continuou hoje de manhã com uma crónica de Vasco Pulido Valente e dois cafés no Brick.

Desaguo, meio sem querer meio por impulso, no Caxemira. Digo ao senhor - é o mesmo há duzentos e trinta anos (trinta e quatro) - que escolha ele o que vou comer e beber, dentro dois parâmetros: tinto para o vinho, camarão ou borrego para o prato. Traz-me meia garrafa de Cabriz, uma chamuça que podia estar muito ligeiramente mais picante e um Sak Gosh perfeito.

Lisboa agarra-se a mim nos sítios mais inesperados, por muito que tente fugir-lhe. Tens a perfeição manhosa, cidade.

Velha gaiteira debochada e lúbrica, sensual e sofisticada, porca e aprumada, desleixada e ataviada, velha de séculos e nova todas as semanas.

........
Deve ir-se a Lisboa como se vai às putas: de vez em quando. Antes isso do que viver com uma.

11.1.19

CTT - Uma saga portuguesa

No dia 5 de Dezembro do ano passado enviei uma encomenda de Palma para Coimbra. Como não sabia a morada do organismo para onde ela ia, tirei-a da net, do Google. A morada estava errada: o organismo em questão mudou de instalações há dois ou três anos mas o Google ainda não a actualizou. No dia 12, soube pelos correios espanhóis que a encomenda não tinha sido entregue devido a um erro na morada.

Tentei entrar em contacto com os CTT, mas é como tentar falar para o céu: Deus está demasiado ocupado para responder aos telefonemas de meros mortais como nós. Ao fim de inúmeras tentativas - dois ou três dias, a no mínimo dez vezes por dia - consegui falar com uma agência dos correios de Coimbra. "Vamos fazer uma nova tentativa". Como o organismo ainda é dono da morada onde já não está há alguns anos - o dinheiro público em Portugal é bastante bem administrado - avisei a destinatária final da encomenda de que provavelmente teria um aviso de recepção na outra caixa de correio.

Não havia aviso de recepção nenhum. Mais dois ou três dias até conseguir falar com a agência de Coimbra que responde ao telefone - foi o único fixo de todos os que tentei que respondeu - consegui o número de telefone portátil de um senhor que se prontificou a ajudar-me. Durante todo este tempo, os e-mails e mensagens que enviei para o "apoio ao cliente" (entre aspas porque cito e por piada) estavam sem resposta. Podemos arrumar desde já a parte escrita desta história: língua de madeira, respostas tardias e a más horas em português administrativo, provavelmente o pior crime que se pode fazer à nossa língua depois do AO90.

Continuemos com o telefone: o primeiro senhor cujo telemóvel me foi transmitido informou-me de que a encomenda tinha sido enviada para um outro centro  dos CTT e deu-me o número de telefone portátil de um seu colega; este já não trabalha nos CTT e deu-me outro; este não trabalhava naquele sector e deu-me outro. Até que chego finalmente à fala com um senhor (F. S. porque me pediu para o tratar assim). Começo por agradecer ao senhor F. S. a paciência de que deu provas. Sou educado mas não sou especialmente fácil. Nessa altura estava convencido de que a encomenda tinha sido roubada e queria ter a confirmação disso o mais depressa possível.

Entretanto meteu-se o Natal, depois o fim do ano. O senhor F. S. confirmou que a encomenda estava no centro onde trabalha, mas ele não sabia onde. "Ainda não foi devolvida", explicou-me. "Mas encontrá-la vai ser uma questão de tempo, nós nesta altura do ano temos muito correio, como pode imaginar".

Posso, senhor F. S. E posso imaginar o esforço que fez para a encontrar e a devolver para Coimbra. Deixo-lhe aqui o meu agradecimento. V. é a prova viva de que as nossas instituições são piores do que o nosso povo.

Em Coimbra a encomenda foi ainda uma vez entregue na morada errada - apesar de eu já ter dado a morada correcta tanto aos Correos como aos CTT, mas graças a um senhor (M. C., por questão de coerência) a encomenda foi apanhada ante de ser reenviada para o centro de devolução. O senhor M. C. tomou nota, ele pessoalmente, da morada e reenviou a encomenda, que foi entregue hoje, um mês depois da primeira tentativa de entrega.

Não agradeço aos CTT. Como instituição não valem a ponta de um chavelho. Mas agradeço às pessoas dos CTT que deram provas de profissionalismo, de sentido de serviço, de brio profissional e - no fundo - de humanismo.

Bem hajam.

Álgebra afectiva

Um dia descobre-se que as mulheres não são intercambiáveis (uma descoberta que se faz muito cedo) e ainda menos são acumuláveis - esta demora mais tempo, quase uma vida.

Ao contrário da nossa vida profissional, que é o somatório de todas as experiências (e mais: uma adição de números absolutos, não há experiências profissionais com valor negativo) a vida afectiva é o resultado de subtracções em série. As mulheres que amamos vão-se subtraindo ao longo da vida, num processo algébrico cujo resultado é um na melhor das hipóteses e zero na pior. Chega inevitavelmente o dia em que se descobre que só há uma e chega-se a essa conclusão por subtracção e não adicionando.

9.1.19

Carta à Mãe

Olha, Mãe, não acreditas o que fiz hoje para o jantar. Adivinha. Sim, isso mesmo. Acertaste à primeira. Fatias  recheadas. Ficaram uma porcaria, horríveis, cada que vez que me lembro das tuas... O que é que ficou mal? Tudo, Mãe, tudo. A começar pela carne, não consigo fazer a carne como tu, tão simples e tão saborosa. Ó Mãe, eu sei que não custa nada. Basta saber, não é? Pois, mas eu não sei. O pão aqui não vale um chavo e isso também não ajuda. Mas olha, Mãe, não me importo. Vou dizer-te a verdade: estou-me nas tintas. Fartei-me de pensar em ti, pensei o tempo todo, lembrei-me dos teus últimos dias no Alentejo, eras uma esponja de morfina, nunca te deves sequer ter apercebido de que eu estava ali. Que sorte? Sim, foi uma sorte poder acompanhar-te até ao fim, estar ao teu lado mesmo não estando tu lá. Estavas tão magra, tão diferente... A única coisa que ficou de ti foi a tua vontade, essa porra dessa vontade... Mãe, porra não é um palavrão... essa vontade, essa força, aguentaste até ao fim, lutaste e ferraste-te à vida, tu que há mais de vinte anos só falavas em morrer. Mãe, deixa lá as fatias recheadas, que se lixem. Lembrei-me praticamente de todas as que me fizeste para aí desde os quinze anos e sobretudo lembrei-me das primeiras que não fizeste, pediste-me desculpa mas tinhas deixado de cozinhar, já a paciência te faltava. Sempre tiveste muita paciência, eu sei; mas tinhas mais força e mais vontade do que paciência, não é, Mãe? Nunca mais hei-de comer fatias recheadas como as que tu fazias mas olha, que se lixe. Pensei em ti o tempo todo de fazer o jantar. Na verdade comecei a pensar antes, foi no caminho de Andratx para aqui, pensei em dizer-te Mãe, o P. tem o mastro no lugar e tu perguntavas-me O que é o P.? pela razão simples de que não reconhecias a existência de nada que te aborrecesse, como naquele dia em que o V. levou a nova namorada pela primeira vez lá a casa e tu por acaso, por simples acaso rearrumaste as fotografias todas para que as da L, a prévia, de quem tu tanto gostavas, ficassem à frente, bem visíveis. E nunca arredaste pé dessa explicação: o acaso. Também foi por acaso que pensei em fatias recheadas, não foi? Claro que sim, Mãe. Qual a  relação entre um mastro no lugar e as tuas fatias recheadas? Provavelmente a tua ironia, aquela ironia que te fazia dizer os piores horrores a quem quer que fosse com o ar mais cândido deste mundo. Morreste finalmente, como tanto dizias querer e como tanto demonstraste não querer, mas quero que saibas isto: quando estou contente, feliz, orgulhoso de mim, como hoje, penso em ti. Quando estou triste e miserável penso em ti e é em ti que penso quando estou de um a caminho do outro ou vice-versa. Não aprendi a fazer fatias recheadas, Mãe, mas contigo aprendi muito mais importante: ser eu,  "Você vai arranjar-me isso, não vai?" Isso era um linguado, o teu peixe favorito e a pergunta foi dirigida ao empregado - tu disseste criado até ao fim - do João Padeiro, em Cascais, que te tinha trazido o peixe inteiro. Você vai arranjar-me isso, não vai? Volta para casa Stop Vamos para Moçambique Stop. Minha querida, esqueci-me de te dizer... As memórias vêm-me em cascata e fico-me por aqui, Mãe. Tu não precisas que te lembre de nada. Falavas muito alto, mas tinhas a mudez mais expressiva do planeta Terra e percebes lindamente a dos outros. Um beijo do teu filho Luís. 

Venha o Diabo

No rescaldo de uma conversa facebookiana apercebo-me de que já vivi com a quase-perfeição e com a quase-imperfeição (e mais ou menos com tudo entre os dois).

Ou seja: esperam-me a perfeição total ou a imperfeição absoluta. Venha o Diabo e escolha. Eu não sou capaz.

8.1.19

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 08-01-2019

Não é propriamente uma vida em montanha russa. São dias em montanha russa, uns a seguir aos outros, dias que me fazem simultaneamente ter inveja de não ser funcionário público e perguntar-me como seria, se fosse? Dias de emoções, sentimentos, desilusões, esperanças uns atrás dos outros, seguidos como vagões num comboio, dias que chegam ao fim e me trazem à mente aquela biografia cujo título é Confesso que vivi. Confesso? Mas confesso a quem? Não confesso nada: digo, grito, declaro, afirmo,  proclamo, certifico, garanto, asseguro, atesto, aprego aos quatro ventos que vivi. Hoje. Ontem também e amanhã igualmente, se Deus quiser, a partir das duas da tarde, hora a que a manobra de arvorar está prevista. Até lá também vivo, espero, desespero, falo com o arquitecto e com o surveyor de outras coisas, escrevo e-mails sobre outras ainda, descubro vermutes fantásticos (enfim, um), por causa desse vermute fico a conhecer uma loja da qual a partir de agora serei cliente quotidiano, escrevo cartas e postais (um de cada) insurjo-me veemente contra o preço de um Campari com vinho branco (e ganho parcialmente), passeio pela cidade na minha bicicleta Òrbita branca, tão bonita, vou aos Correos enviar a carta barra postal, tudo isto contado numa desordem cronológica total mas numa outra ordem qualquer que faz sentido, não sei qual. Sei que o jantar coze e cheira a Bruce Springsteen, que canta no Youtube (sinal seguro de que qualquer coisa se está a passar) é um jantar composto por uma data de coisas, tantas que me é difícil listá-las. O disco é The River e está quase a acabar, não sei se depois volto aos portos habituais se continuo pelos carreiros do passado. Marianne Faithful, estás aí? Say it in Broken English, would you please? Nico, Are you sure the shore is desert? Morreste por estas bandas, não foi? A andar de bicicleta, parece. Queres ser o meu espelho? Estes dias, Nico, estes dias you'll be my femme fatale break my heart in two and play me for a fool. Everybody knows, Nico. Patti, vamos dançar descalços?

.........
Descubro que afinal tenho um clã, uma tribo, uma família. Chamem-lhe o que quiserem. Irmandade, bando, associação: a das pessoas para quem uma linha de entrada de água num casco é mais importante do que a linha de um extracto bancário, para quem as obras só são vivas se estiverem dentro de água, para quem uma carena bonita devia desfilar num concurso de misses, para quem a linha de flutuação e a linha de vida se confundem numa só, algures no horizonte.

Descubro tudo isto e muito mais: gosto de vermutes artesanais, Palma parece uma mulher linda e de cabeça vazia, Lisboa é puta velha, desleixada, mal lavada e mais inteligente do que todos os clientes que a frequentaram desde que nasceu ou pelo menos desde que é puta, juntos e por atacado. Lisboa é a minha puta e eu sou o único chulo que paga para ter uma galdéria por conta. (Se calhar não sou, somos um monte deles à cata da mesma).

........
Amanhã às duas da tarde começo a arvorar o P.

No fundo o meu universo é muito simples: o rum acabou anteontem e a vodka está no congelador, à espera.

6.1.19

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 06-01-2019

O dia está lindo, quente e imóvel. Não há vento e o azul do céu mete-se por tudo quanto é frincha. Pedalo o mais lentamente que me é possível; na verdade passear não é o termo adequado. É esparramar-me por essa cidade, derramar-me como uma ânfora demasiado cheia nesta luz tão calma, tíbia, fina, luz que não ilumina, mais parece que acaricia as coisas, passa-lhes suavemente pela superfície da pele e deixa-as revelar-se como elas querem mostrar-se, sem forçar.

Procuro um sítio para beber um vermute e escrever - vim com a parafernália toda: postais, caneta, papel de carta, envelopes, tablet -. Acabo na esplanada do Baluarte, o museu de arte contemporânea da cidade. A vista é simples: uma linha de árvores e mastros por cima. Não há sítio na beira-mar de Palma de onde não se vejam mastros.

O vento é nulo e apesar disso o dia está lindo. Ou será "por causa disso"? Por causa desta ausência total de vento, desta imobilidade... Se alguém fizesse um estudo sobre a velocidade da luz encontraria decerto que a de Palma nestas manhãs de domingo de Inverno é mais lenta do que c.

E assim se esvai o dia, lentamente, sem se dar por ele. The Hours, Philip Glass...

Multidões

- Podes falar? - Antes de nos telefonarmos tínhamos de nos perguntar isto. Ela era casada e tinha um amante; eu duas namoradas "oficiais" cuja existência desconheciam mutuamente e uma ocasional - aspirava à condição de fixa, confundia uma relação afectiva com um emprego -. Se alguém descobrisse o nosso amor teríamos uma multidão atrás de nós.

Retrato

Não tinha grande opinião de si próprio e por isso bebia muito vinho: esperava bonificar-se ao envelhecer.

5.1.19

Aprendizagens

Não sei de que é isto sinal, mas tendo a aprender mais com gente mais nova do que eu do que com mais velhos. 

Tobogans, hífens e ses

Ou seja, podemos imaginar que a vida é uma piscina rodeada por tobogans, daqueles que se vêem nas fotografias publicitárias dos parques aquáticos e das regiões de turismo.
Num desses tobogans, 
Num desses tobogans estás,
Num desses tobogans estás tu.
Pronto. Nos outros, quem está? Quais são? Como vamos ordená-los? O primeiro dos outros tobogans é o passado? Qual deles? Há tantos passados...

Melhor seres tu a decidir a ordem. Cronograma, importância, relevância, GANTT chart, meteorológica, pinturas rupestres, aleatória... Todas são boas. Poderíamos até - se quisesses, claro - organizar uma ordem estética. Do mais feio para o mais bonito. Refiro-me aos tobogans, naturalmente. Ou a ti, ordenada do mais livre ao menos livre. Do mais tu ao menos tu. De tudo isso a tudo menos isso. Beijo-hífen-te. Enfim, se calhar deixamos os hífens beijar-se. Conhecem-se tão bem, os nossos hífens. Os nossos ses. E os tes. Apanhemos juntos o tobogan, um qualquer.

Não, um qualquer não. O mais bonito, o do hoje. 

4.1.19

Cores

Toda a gente sabe que os dias têm cores. Alguns são encarnados, outros verdes, alguns cinzentos, azuis, mais escuro ou mais claro. A minha cor favorita para um dia é o azul. Não necessariamente marinho, repara. Pode ser qualquer azul (menos azul bebé, que detesto). Como pintar um dia de azul? Ou melhor, como se pintam os dias? Não somos nós que os colorimos, são eles. Por vezes é retroactivo: está quase o dia a acabar e chega um telefonema e num só gesto de repente fica tudo azul; por vezes começa logo de manhã: como se numa tela vazia o pintor espalhasse uma camada prévia da sua cor favorita. Outras vezes, nem uma nem outra: as horas vão-se pintando a si próprias, pequenos toques de pincel aqui e ali, ora como quem não quer a coisa ora como quem a quer muito.

Tu és a minha cor azul: os dias começam contigo, tela vazia coberta de um azul-marinho denso, ciclópico. Nessa base outras cores vêm assentar: um bocadinho de encarnado aqui, verde ali, roxo para fingir que somos modernos, amarelo para dar vida. Mas o azul está sempre lá, como quando no mar dançam navios: é o azul que os sustenta.

3.1.19

De que são feitos os raios. Fragmentos

Se fosse assim de raspão já teria sido. De raspão, quero dizer: assunto de pele. Mas não foi. Veio de mais longe, do lado de dentro do lago no qual nadamos à superfície, ao sol. De modo não foi de raspão, foi um choque frontal, dois icebergues que se encontram, talvez o dia estivesse azul, talvez o mar calmo, talvez a lua cheia, ninguém sabe.

Questão de escuridão e excesso de luz ao mesmo tempo. É disso que são feitos os raios, não é?

2.1.19

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 02-01-2019

Fui ao dentista, onde passei uma hora; tenho de comprar camisas e estou a fazer um chili con carne que não vai ficar grande coisa porque não conheço bem as especiarias; reservei a noite para pensar e em vez disso estou a beber vinho e a ouvir música enquanto o chili coze. Verdade seja dita: pensar não é incompatível com beber vinho e ouvir música, se forem bons. Estes são: o Davida é simultaneamente bom, ecológico, sem sulfitos e barato (alguém conseguiu a quadratura do círculo) e as Drinking Songs de Purcell pelo Deller Consort são... bem, do Purcell e canções de taberna. Às vezes é um bocado lacrimoso de mais, mas o conjunto é bom. O dentista já passou; uma hora durante a qual a senhora escarafunchou um dente e eu pensei em todos os dentistas por onde já estive: Nakhodka, Cape Town, Cape Town outra vez (ou terá sido Pretória?) Almirante (Panamá), Brasil e Portugal, claro; não sei se mais algum. Depois interroguei-me sobre os sacrifícios comparados do dentista e de comprar camisas. Ganhou aquele, porque é mais frequente: a média de idade das minhas camisas deve rondar os doze ou treze anos, isto contando com a que comprei em Atenas há dois anos e com a que o meu primo me deu há não sei quanto tempo, mas pouco. Se bem uma vez passei doze anos sem ir ao dentista; mas foi só uma vez.

Ou seja: não sei se poderei qualificar este dia como "um sucesso!" (imitar sotaque de tia de Cascais). O dentista em Nakhodka já aqui contei; o de Cape Town também: tinha bebido uma garrafa de whisky antes de ir para lá. Sentei-me e só tive tempo de lhe dizer duas coisas antes de cair num sono profundo: "Por favor veja-me essa cárie que me trataram na Rússia há um ano" e "tenho mais medo do dentista do que de um ciclone no mar".

Depois adormeci. O homem teve de me acordar quando acabou. "A sua cárie foi extremamente bem tratada" e "muito gostaria eu que todos os meus pacientes medrosos fossem como você". O do Panamá era caríssimo e ensinou-me a bocejar com água oxigenada para não ter dores, porque não lhe podia pagar o tratamento. Funciona às mil maravilhas. Já as camisas são uma seca. Não me apetece nada. (É verdade que estou um bocado farto de ver sempre as mesmas, mas isso é outra história).

As especiarias vêm de duas fontes diferentes, ambas sitas no Mercat de l'Olivar. A partir de agora vão ficar reduzidas a uma, um argentino arrogante (passe o pleonasmo) que tem as melhores especiarias que vi até hoje a sul de Marselha e a norte do Maghreb. Em Lisboa pode comprar-se especiarias correctas no Martim Moniz, mas a diferença entre uma especiaria correcta e uma boa é a que vai entre Marilyn Monroe e a vizinha do 1º dto. Com a notável excepção dos cominhos: o melhor que até hoje me passou o estreito foi o de S. Luís, num mercado cujo nome não recordo. mas sei onde é.

.........
A M. veio cá, tem um check in à uma da manhã. Ficámos um bom bocado à conversa na cozinha, enquanto o chili cozia (dá para tudo, um chili que coze). Perguntou-me se eu bebia água. Disse-lhe que não. Bebo muito café e quando navego com ingleses chá. De vez em quando bebo sumos, se as condições estão reunidas: laranjas e uma máquina para as espremer. De resto, só vinho; cerveja raramente; hierbas secas, vermute, Palos; rum; gin; vodka. Ontem bebi um Bénédictine, de que tanto gosto. É feito em Fécamp. É o licor menos doce do mundo. Ninguém me pode acusar de beber pouco. Nem de andar bêbedo mais do que o razoável, apresso-me a esclarecer.

É importante: um homem não deve embedar-se sem querer, por acaso, sem método e sem propósito.

.........
As canções de taberna do Purcell são boas, mas não chegam aos calcanhares das suas congéneres medievais. A diferença está em Deus, claro: na Idade Média estava em todo o lado. No séc. XVII já não. Só se pode desobedecer se houver a quem.

........
M. tem aquela beleza tosca das paisanas holandesas e alemãs. É muito simpática, mas não lhe suporto o cão.
- Esse cão pensa que é humano.
- Sim. Pensa que é o meu namorado. 

1.1.19

Razões

Um homem ejacula quando está farto do que está a fazer e embebeda-se exactamente pela mesma razão.