20.5.06

The Rock




Vi esta imagem pela primeira vez há trinta anos. A magia é a mesma: o Rochedo contra a luz do sol nascente, a esperança de que aquilo nunca deixe de ser inglês, a ideia de que para lá fica um outro mar, tão diferente do Atlântico, que é duro e honesto. O Mediterrâneo é traiçoeiro, de extremos ("do motor para o estai de tempo e deste para o motor outra vez, em menos de uma hora"), e começa - ou acaba - aqui, em Gibraltar.

Tal como o mundo já começou, e acabou, aqui.

Fotografia de Júlio Quirino.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.