15.11.07

Progresso

É do Brasil que melhor se vê o longo, longo caminho que Portugal ainda tem por fazer. Os métodos de trabalho são iguaizinhos: a lentidão nas respostas, o "as coisas são assim, que quer?", a burocracia, a prepotência e indiferença dos funcionários públicos. É verdade que com mais sorrisos e simpatia, mas os resultados são os mesmos. "Em todo o lado é preciso conhecer as pessoas certas. Aqui, mais do que em qualquer outra parte" - quantas vezes não ouvi isto em Portugal?

Portugal está condenado a continuar no fundo da tabela europeia - se bem que progredindo, porque a maré está a subir, e quando sobe todos os barcos sobem com ela - como o Brasil está condenado a ser o país do futuro: em ambos, quem tem a ganhar com a mudança tem medo dela, e quem tem a perder não a promoverá, naturalmente.

As mudanças de Sócrates são óptimas para nos manter no nosso lugar, mas insuficientes para nos aproximar dos países da frente - mas a verdade é que a maioria dos portugueses rejeitaria as reformas necessárias para mudar o nosso lugar na tabela.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.