17.1.08

West Coast

Fala-se muito na campanha West Coast. Eu gosto dela: primeiro, porque é inequivocamente verdade: Portugal é a costa oeste da Europa; em segundo lugar, porque temos coisas em comum com a outra West Coast, a dos outros, coitados: o clima, por exemplo, ou a ponte; e o Tejo, que só cheira a esgoto quando a maré está a vazar (isto é, treze horas e meia em cada vinte e sete horas), e é, como a injustamente muito mais famosa Baía de S. Francisco, por exemplo, um sítio aprazível, com uma frota de barcos, marinas e portos de recreio de fazer inveja ao mais chauvinista dos calafonas.

Há, contudo, que ter algumas precauções: como é do conhecimento comum os americanos - os californianos particularmente - não passam de uns mentecaptos incultos e selvagens e os europeus - particularmente os portugueses - são pessoas civilizadas, cheias de história, cultivadas e sensíveis. Além disso, a qualidade dos nossos activos é bastante superior: eles têm Silicon Valley e nós o Bairro das Marianas, ali no oeste da Oeste Coast; eles têm capital de risco e investidores, e nós temos o BCP; eles têm música péssima, e nós o Quim Barreiros; eles o Jay Leno, e nós o Santana Lopes; eles têm Stanford e nós a Universidade Moderna - a superioridade da Europa pujante, estimulante e revigorante é clara e exige cuidado nas comparações.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.