27.1.09

Educação sentimental

Este post devia ser de presença obrigatória no exame do segundo ano do liceu (se é que ainda existem tais coisas, "exames" e "liceus"; para quem não sabe* corresponde mais ou menos à entrada na puberdade).

E depois ser objecto de uma "revisão da matéria dada" (ou de uma simples leitura pública, seguida de debate) anual até, digamos, à idade da reforma.

Adenda - não é bem "leitura pública seguida de debate". É mais ser decorado, comentado e incluído in extenso em todas as comunicações oficiais.

Adenda 2 - Nada disto: o nosso misericordioso Governo, que tanto se preocupa com a nossa saúde, com o sal no pão e com o bem estar de uma empresa de obras públicas devia tornar obrigatórias as cerimónias de chegada à puberdade; refiro-me àquelas cerimónias e rituais mais ou menos públicos com que algumas sociedades festejam (a meu ver cheias de razão) o fim da infância e o princípio daquilo a que nós chamamos adolescência. E fazer do post parte integrante, obrigatória, do programa de todas elas.


* "Para quem não sabe" é uma expressão que Vasco Pulido Valente usou uma vez referindo-se ao Gambrinus. Infelizmente é impossível não a usar para outros casos.

2 comentários:

  1. Tenho de confessar, Luís, que, na minha saudosa adolescência – ou na inconsciente juventude – eu e as minhas amigas divertíamo-nos bastante com a elaboração (e comparação) das nossas listas de «conquistas». Este divertimento – que suspeito não ser exclusivo do meu sexo – era, porém, extremamente inofensivo, porque não diminuía ninguém. Além de ser secreto – nunca transpirando para além do nosso círculo restrito – tinha a função que têm, por exemplo, as listas e os ficheiros pessoais sobre livros lidos: posicionar numa certa competição, sem dúvida, mas, sobretudo, proporcionar alguma troca de informação que considero imprescindível na fase do crescimento. ;-D
    Outra coisa são casos mal resolvidos, ódios gerados nos amores, vinganças servidas a quente e humilhações públicas. Aí, sim, impor-se-ia alguma elegância... ou alguma educação sentimental.

    ResponderEliminar
  2. emgraçado não li o post como a Luisa leu. E homens e mulheres muitos frios e certeiros no depois do amor sempre me fez espécie. Mas isso sou eu que sou uma entusiasmada. A educação sentimental, faz-se a par e passo da nossa vida emocional e sexual. Na adolescência a educação sentimental deveria ser aprender a sermos inteiros na alma e no corpo.

    ResponderEliminar

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.