29.3.10

Retratos potenciais; ou: Mata-borrão

Era uma espécie de mata-borrão do sofrimento. Sofria mesmo quando não precisava de sofrer, sofria por outrem para lhe aliviar a dor, sofria por vício, por altruísmo, por bondade pura. Sofria quando era abandonado por quem não amava, e sofria também quando abandonava quem queria desesperadamente amar e não conseguia. Fazia chorar as pedras da calçada, quando paravam de troçar.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.