7.2.11

Chuva

A chuva prevista pelo serviço meteorológico reduziu-se - não é o verbo apropriado, creio - a três ou quatro aguaceiros, dos quais um ou dois fortíssimos; e o churrasco na praia transformou-se num almoço com o Ricardo do LUCERO no meu apartamento com vista para a Marina, para a chuva, para o vento.

Estes aguaceiros no mar são horríveis: obrigam-nos a rizar, a vestir-nos, a molhar-nos e logo a seguir o processo inverso - despir a roupa de mar, desrizar e continuar como se nada tivesse sido. No outro dia, de regresso de Sta. Margarita, vínhamos com o radar ligado e aproveitei-o para fazer uma gincana com os aguaceiros, mais do que muitos.

Em terra não: limito-me a pensar nas plantas, e a dar graças a Deus por não estar no mar.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.