11.3.11

Livro de Bordos - 6

Amanhã tenho o briefing para o meu primeiro embarque na Switch. Por coincidência jantei com dois ex-clientes que me parecem ilustrativos: joviais, incultos, comunicativos; vai ser à volta disto que as próximas duas semanas se vão passar.

Ainda não sei qual vai ser o meu percurso. Estes foram a Moustique, o que me surpreende, e a Wallilabou, menos. Espero que o meu tour inclua Wallilabou e exclua a outra - não tenho muita vontade de ir a Moustique, por muito bela que seja a ilha.

Às vezes tenho antipatias assim, que relevam quase da falta de curosidade ou da apatia; depois fico contente por descobrir que me estava enganado. A ver. Estou realmente ansioso por ir para o mar outra vez - ah, fui upgraded, vou skippar (há barbarismos mais bárbaros, mas são poucos) um catamaran. Se até há uma dúzia de horas alguém me tivesse dito que um dia eu ficaria contente por navegar num catamaran em vez de num monocasco chamaria a polícia, os funcionários do manicómio mais próximo ou afogar-me-ia numa garrafa de rum; mas é verdade: prefiro 8 passageiros num Lagoon 41 a dez num Océanis 50.

O tempo vai estar bom; conheço poucas coisas actividades mais inúteis do que ver as previsões meteorológicas aqui: vento leste, es-nordeste ou su-sudeste (a partir de Março), entre 10 e 20 nós, aguaceiros dispersos. Se for pior do que isto as previsões não detectam, e se for melhor (?) tão pouco. (Enfim, não esqueço que subi a costa de St. Vincent com vento noroeste. Mas suponho que tivesse sido um fenómeno de convecção. Não me apetece muito poluir a memória daquele dia mágico com explicações racionais.)

Amanhã embarco. Já escrevi frases mais bonitas do que "amanhã embarco"? Provavelmente, mas agora não consigo pensar em nenhuma.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.