23.5.11

Vento

Enquanto espero os ziguezagues volto ao meu apartamento com vista para o vento e deixo-me acariciar, como se estivesses aqui invisível, tu que todos os dias eu vejo e toco como se estivesses aqui, visível como o vento que todas as noitas me acaricia, como se fosses tu.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.