21.7.11

Plasticina

Tinha o amor convincente, e uns olhos que ela sabia tornar convincentes também. Não menciono sequer o poder de persuasão das mamas, da cintura estreita, das coxas que me apertavam e moldavam como se eu fosse de plasticina. Não é bom, numa relação, que só um dos dois seja de plasticina: o outro não consegue impedir-se de tentar moldá-lo, seja com as coxas seja com outra coisa qualquer.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.