20.5.12

Perguntas, respostas e dúvidas


"Que fazer num domingo pluvioso?" pergunta algures no ciber-espaço uma jovem senhora. É uma pergunta legítima (todas o são, menos as que incidem sobre a idade das jovens senhoras e dois ou três pormenores inconvenientes de todos nós) e cuja resposta tem vindo a ser dada há milénios, suponho (desde que há domingos, pelo menos; ou sábados, ou sextas-feiras).

Suponho também que a resposta de um velho gordo e careca será substancialmente diferente da que uma jovem e bonita senhora procura.

Ou seja, este post não é uma resposta àquela pergunta em particular, mas à abstracção daquela pergunta.

Deverei começar por dizer que aqui em St. Martin o dia está bonito, ventoso, ligeiramente nebulado como convém à época? Talvez, não sei. Na verdade detesto praia, e apesar de ter à portée de pied meia dúzia (pelo menos) de praias lindas a ideia de ir a uma delas só me passaria pela cabeça mil anos depois de gastas todas as outras opções.

E quais são, essas opções?

a) Ir para a cama com a pessoa amada, caso esta esteja à portée de main;
b) Ir para a cama com uma pessoa de quem se gosta, caso haja alguma nas imediações disposta a isso;
c) Ir para a cama com uma pessoa que se suporta, idem;
d) Ir para a cama com uma pessoa que se detesta, ibidem;
e) Ir para a cama sozinho;
f) Beber uma bela golada de rum da garrafa que se guarda no quarto para situações de emergência e optar por uma qualquer das alternativas anteriores;
g) Aproveitar a chuva e o rum para tomar decisões sobre o futuro próximo: Maldivas, Panamá ou Inglaterra;

Notas:

  • As alíneas d) e e) são intercambiáveis. Isto é, dependem muito da idade da pessoa que deve fazer a escolha. Normalmente, quanto mais novo mais d) e quanto mais velho mais e);
  • Não sei porque é que a chuva ajuda a tomar decisões, mas é uma coisa que se vê em todos os filmes e livros sérios que abordaram a questão. O rum ajuda, sem sombra de dúvida;
  • A alínea f) devia ser anterior a todas as outras, mas se fosse não conseguiria dar-lhe a forma que, ao fim de muito pensar, encontrei e me parece adequada.

Claro que cada uma destas alternativas tem várias objecções de várias ordems: moral, prática, exequibilidade, interesse, etc.

As alternativas c) e d), por exemplo serão decerto o objecto da ira de muita gente; de mais gente ainda, a b); e) será aprovada por uma multidão e desaprovada por outra, quando na realidade será a única, de qualquer foma.

Tudo isto enquanto se deve pensar no futuro próximo: Inglaterra, Maldivas ou Panamá?

A única maneira de resolver é uma boa golada de rum, seguida de outra boa golada de rum, e assim por diante até se acabar o rum. Nessa altura a solução deixará de nos aparecer como uma solução, e apresentar-se-á como uma evidência, que é um dos destinos das soluções.