24.7.12

Portugueses, apostasia

Coomo todos os povos que conheço na Europa (com a possível excepção dos franceses e dos espanhóis; e dos alemães, talvez) os portugueses não gostam de si próprios. Tal como os ingleses passam a vida a dizer mal dos "ingleses" e os suíços do "suíços" os portugueses acham que os "portugueses" são do piorio.

Claro que todos têm razão: todos os povos, como toda a gente tem os seus defeitos; e é natural que cada um se aperceba melhor - e sofra mais - com os defeitos do seu povo do que com os dos outros.

Claro que a categoria "portugueses" (para nos restringir ao que interessa) não nos inclui a nós nem aos nossos amigos; inclui um monte de pessoas, mas nós e os nossos amigos não somos "portugueses". Quando muito somos portugueses, o que é completamente diferente.

Só se compreende a aversão mortal (literalmente) que os muçulmanos têm pela apostasia quando se descobre que uma pessoa que considerávamos nossa amiga  e portanto pessoa decente se revela, afinal, "português".