10.8.13

Diário de Bordos - Cidade do Panamá, Panamá, 09-08-2013

Ainda não encontrei um restaurante português no estrangeiro no qual comer fosse uma experiência agradável; o de Panamá não só não é uma excepção a essa regra como a eleva a potências insuspeitas.

É límpido que com esta idade já devia ter aprendido a evitar experiências que só me provocam dor e pouco proveito. Porém a linha que separa o optimismo da estupidez é ténue (a do pessimismo também; mas fraco é o consolo).

Decididamente a cidade de Panamá e eu somos incompatíveis. (Sou injusto: não há lugar no mundo com o qual hoje sou compatível).

........
Quarta-feira atravessamos o Canal. Comprei um livro sobre a sua história. Ainda vou no segundo capítulo, mas já posso invejar o entusiasmo com que o século XIX abraçava os grandes projectos. Penso no equivalente hoje: a ida à Lua, as viagens espaciais, a cura do cancro ou da depressão. Parece que se trata da morte de uma mosca ou duas.

........
Estive em Bocas del Toro, um golfo  cum arquipélago lindo de morrer, ou viver. É para lá que vamos com o Artie - primeiro acabar com o refit (esta palavra já me dá náuseas) e depois trabalhar. O sítio foi descoberto por backpackers; hoje é um pólo de turismo barato; em breve será um destino de turismo caro. Os países que desprezam os backpackers cometem um grande erro.