6.8.13

Lado a lado

Implacáveis brutais violentos tremendos silêncios assassinos malditos vogam no meio dos destroços ruínas naufrágios devastação cinzas submersas no meio dos dias e das ruas sem luz sem azul sem vento sem sem sem

grandes chamas cinzentas labaredas queimam alastram irrespirável o ar   a luz queimam

com tubarões sem culpa e galinhas coitadas sem penas cheias dela

lado a lado.