13.12.13

Poderia; ou: monólogo dialogado

Pronto, está bem, ganhaste. Eu troco uma vida de mar usada por uma vida tout court, por muito gasta que esteja. Enfim, não sei se as vidas se gastam; usam-se, isso sim. Mas gastar... Não sei. Uma vida de cinquenta anos pode ser tão nova como uma de vinte ou trinta. Ou o oposto: uma de vinte ser tão velha como uma de cinquenta. Talvez. Mas não é de vidas velhas que falamos, é delas novas, por muito usadas que estejam. Não, claro que não. Uma coisa pode ser nova e estar usada: um vinho que passou muito tempo numa estante, um charuto que ninguém tirou da caixa, uma vontade, um desejo, uma vida. As vidas só se gastam quando não se usam. E eu já vivi fora do mar, já vivi longe dele, já vivi ao lado dele. Mas nunca vivi sem o mar, e é isso que agora te digo posso fazer.

Poderia.