27.4.14

Solidão ontológica, paternidade

Estamos sós, fundamentalmente sós? Sem dúvida. Até nascer o primeiro filho. Não há solidão que resista à paternidade (ou à maternidade, a fortiori).


(Para e da E., a quem eu poderia ter ensinado muitas coisas se ela não as soubesse já, ou não preferisse aprendê-las por si mesma.)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.