26.5.14

Amores genéricos

Não acredito muito nessa história do amor indefinido, universal, sem objecto. Mas há dias em que o compreendo.

Basta não lhe chamar amor.