23.5.14

Bica matinal

A senhora do café onde vou é um bocadinho surda. Todas as manhãs peço-lhe uma bica e ela faz uma cara zangada. E repito: uma bica, por favor; separando bem as sílabas.

Podia contar a história assim, mas não seria verdade. Ela tem razão.