1.9.14

Palavras, futuro, música

As palavras sentam-se nas margens do silêncio e vêem-no passar. Refugiam-se no vento, que as acaricia; e na noite, que as acolhe; no mar para o qual ao longe olham; na música intemporal e silenciosa de Béla Bartók.

O futuro espera por elas, mas o futuro não é fiável.