4.9.14

Sizígias

Vamos então começar. Um rio começa pela nascente. E que é agora a nascente? A noite, a vela de citronelle com a qual tento enganar os mosquitos, a música de Gould com a qual tento enganar a noite?

Não sei. Penso numa cidade com as ruas vazias e a lua apagada. A lua nova sempre se prestou a estes exercícios, e basta pensar nela - mesmo estando nós em pleno crescente - para imaginar esta cidade sem luz.

Estamos em crescente. Daqui a quatro dias vem uma lua cheia. Há sempre uma lua cheia depois de uma nova.

O ideal, claro, seria que houvesse uma nova depois de cada cheia. Mas não há. Sizígia é a palavra chave: oposição ou conjunção são descritas pelo mesmo termo.

Nada há de novo, nada do que tenha sido desaparece ou aparece se não tiver existido antes.