12.1.15

Nougaro

Uma vez trabalhei num bar em Genève chamado Moulin à Danses. MAD. Moulin.

Numa altura em que praticamente não havia discotecas em Genève - e as que havia eram péssimas - o Moulin era uma espécie de porto de abrigo, símbolo de status, ponto de encontro. Era um clube privado e mais difícil lá entrar do que num harém.

De barman às vezes. Outras servia às mesas. Acabei por ser despedido: um dia um cliente bêbedo agrediu alguns clientes e uma empregada com uma faca e eu bati-lhe. Demais, no dizer dos pacifistas que dirigiam a coisa.

Uma vez o Claude Nougaro foi lá cantar. Não tinha grande estima pelo homem: alguns anos antes ouvira-o em La Chaux-de-Fonds cantar música brasileira e não achara que as canções - nessa altura conhecia-as de cor - ficassem a ganhar com a tradução para francês.

Estava de barman. Quando o concerto acabou o Nougaro veio ao bar pedir uma bebida. Ficámos na conversa, não sei se por causa desta canção. Espero que sim.

Falámos a noite toda, ele ao princípio ligeiramente mais bèbedo do que eu. Lembro-me de que tinha um complexo por ser baixo, e de que a Ile de Ré ficou, para sempre, uma das minhas canções favoritas.

Se calhar já era, não sei.