10.2.15

Faísca, fogo

Era assim que sonhava contigo, quando sonhava: os cabelos, as mamas, o olhar, as mãos. Dessas partes eras o todo. Não te amar foi um privilégio, uma conquista, uma sorte.

Uma faísca. O fogo, esse, ficou.

(Para a A. I., com um beijo e uma chama.)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.