6.4.15

"BRIO"

"meu avô quando perdeu as terras
ficou rodando com um bando de jagunços
por dois anos o interior do Pará
em busca dos culpados

acabou sozinho e doente
nos fundos de um posto de gasolina
no norte do Mato Grosso
do Sul

dormia numa rede emprestada
pelo dono do restaurante
e passava os dias bebendo
numa mesa do canto

uma vez
espancou um sujeito que
sugeriu que alguém tão calado
devia ter muito que esconder

enquanto batia sua cabeça
contra a quina do balcão
meu avô gritava
"EU TENHO BRIO"

cresci ouvindo essa história
da boca do meu pai
que foi buscá-lo assim que
descobriu seu paradeiro

alguns poemas
simplesmente me chegam por herança"

Fabrício Corsaletti,  in Revista Piauí, 102, Março 2015