25.6.15

Diário de Bordos - Lisboa, 25-06-2015

Lisboa não se dá a ver, não se oferece. É preciso descobri-la; ou, melhor ainda, redescobri-la. Amante velha a cuja cama retornamos mais por memória do que por desejo.