24.7.15

Amanhãs, esquerdas

A esquerda acredita em amanhãs que cantam - se possível com o dinheiro dos outros, mas isso é outra história - tal como a igreja católica e os muçulmanos acreditam no paraíso - estes cheios de virgens, se conseguirem matar quem o não é, de preferência em grandes quantidades -.

É agradável assistir a esta dilemática: por um lado é preciso manter o que está (o PCP por exemplo defende hoje uma Constituição contra a qual lutou afincadamente há alguns anos). Por outro é preciso "mudar" (entre aspas, claro: é simplesmente mais do mesmo, não é mudança nenhuma). O homem novo está à porta, basta abri-la.

Infelizmente, abre-se-lhe a porta e quem entra, mais tarde ou mais cedo, é o homem velho. De fraque.