22.7.15

Incompreensões, impostos

Por vezes imagino-me a explicar a um funcionário do fisco que na verdade eu pago impostos. São é noutra moeda, feita de insegurança, felicidade, não saber de que amanhã será feito, prazer e dor, altos e baixos, adrenalina, espanto, frugalidade e excessos, zagues e zigues.

Depois acordo, claro.

(E percebo que falar com um funcionário dos impostos é como falar com um membro de um clube, seita, corrente de opinião. Sejam eles quais forem).