16.8.15

Lisboa, núvens

Lisboa tapa-se com um novo lençol de núvens, liso e acetinado. Por baixo a alegria habitual.

Amanhã acordaremos, nus e felizes: tu destapas-te das núvens e eu de ti, cidade.