22.9.15

Diário de Bordos - Copenhagen, Dinamarca, 22-09-2015 / II

Esta minha estadia em Copenhagen foi um sucesso parcial, mas teve a vantagem de me dar uma irreprimível vontade de cá voltar.

Ontem palmilhei horas ruas que se não estivesse tão carregado seriam magníficas, à procura de um hostel. Lá chegado, era preciso um cartão de crédito mesmo para as reservas pagas em dinheiro ao balcão. Voltei para trás, para o sítio de onde tinha saído.

O resultado final até foi bom: o hostel onde acabei por ficar era mais pequeno e simpático do que o primeiro e mais perto do restaurante Skindbuksen, onde fui jantar. Boa escolha, pela qual estou grato ao meu tripulante, que me deu a dica.

Depois dormi. O sono de quinze dias de mar. Estava sozinho na camarata, mas se lá houvese uma banda de jazz a tocar teria dormido na mesma.

Hoje a saga foi com a lavagem da roupa. Mas também acabou bem. Depois  ajudar a mudar o S. da horrorosa marina onde estava para um lugar num canal do centro da cidade. Ao lado fica o Faerge Cafeen, onde agora escrevo e bebo Irish Coffee e oiço música e me pergunto se isto é uma vida, um sonho ou um pesadelo (é uma mistura dos três, claro. Mas a pergunta fica, para a retórica).

........
Gosto destas cidades calvinistas, nas quais até a imponência é discreta.

........
Hoje voo para Gatwick, onde passarei a noite - não no aeroporto, thanks goodness, mas num hotel, um hotel a sério, não um hostel -; amanhã de madrugada apanho um avião para Preveza, um porto na Grécia do qual vou levar uma embarcação de quarenta e dois pés para o sul de França.

A vida é um vício mortal; nem todos os vícios são maus.