9.12.15

Diário de Bordos - Cole Bay, Sint Maarten, Antilhas Holandesas, 08-12-2015

Começar o dia de trabalho no galope de um mastro de quase vinte metros e acabar o mesmo dia a secar fundos é um privilégio.

Difícil de explicar, mas privilégio.

........
Fiquei a trabalhar no S.M. O barco precisa e eu também. Os astrólogos chamariam a isso uma conjunção feliz, suponho.

Eu chamo sorte. É menos exótico, mas igualmente próximo da realidade,  não é?

........
St. Martin é uma ilha adorável. A cada dia que aqui estou mais gosto dela.

E me pergunto como consegui passar tanto tempo a detestá-la. Não acredito em amores à primeira vista, é o que é.

Excepto Bequia, claro. Mas isso não foi amor, foi bom senso. E não foi à primeira vista. Foi à segunda vida, ou terceira, ou as que tiverem sido.

Pensava que era específico de marinheiros, mas não. Hoje S., dentista e acessoriamente armador do S.M. disse-me que Bequia é a sua ilha favorita nas Caraibas.

Podia argumentar que não conhece muitas, mas isso seria um argumento barato, desprezível.

Os marinheiros não têm a exclusividade do bom gosto, mais simplesmente.

.........
Cinco dólares por um Mount Gay pode parecer caro. Parece até se ver a quantidade de rum que há no copo.

É tanta que torna impossível não beber outro.