9.8.16

Diário de Bordos - Portimão, Algarve, Portugal, 09-08-2016

A senhora é gorda, antipática, peneirenta e presidente "para Portugal" de uma empresa que se dedica a vender piramidalmente produtos de saúde, emagrecimento e nutrição. Hoje ofereceu-se para me apresentar os produtos da dita empresa. Declinei, espero, o mais gentilmente que me foi possível. Tenho mais nove dias, nove. Passam num fósforo.

Enfim, passariam, não fora a intromissão na minha vida de um abalo telúrico, tsunami de beleza inteligente e sorridente, abismo e cume impromptus, surpresa e pavor, tempo e eternidade (para quem não sabe: são coisas diferentes. "O tempo é a parte da eternidade que se atrasa"). É tão bom, não é? Isto é: pode ser tão bom, não pode? Isto é: vai ser tão bom, não vai? Já é; como poderia não melhorar?

Caindo, por exemplo. No abismo as quedas doem, Enfim, que dure a dúvida pouco. O frémito está para sempre.

........
Próxima etapa: aprender a lidar com a pequenez. Continuo a preferir um gajo que não me paga dez mil dólares a um que tenta reduzir o meu salário em sessenta euros.

Isto tem de mudar. Sessenta euros é menos do que dez mil dólares, estúpido.

........
Há pessoas que compram um barco de centenas de milhares de euros para ir à praia. O apelo da areia não tem limites.

........
Portimão: costumava detestá-la porque me perdia de carro. Agora perco-me de bicicleta. Talvez não seja a cidade.