23.9.16

Rades, golfos e tempo

Um gajo está a entrar na rade de Hyères. Está frio, se bem não muito. Vai a motor porque o vento é pouco e de proa. As luzes da costa fazem-no pensar na saída do golfo de Salonica, tão linda e tão mais fria, há oito meses precisamente.

Isto é um bocado como estar a jantar e a pensar no almoço de ontem, só que o mar comprime o tempo.