11.10.16

Diário de Bordos - Em voo de Lisboa para West Palm Beach, Flórida, EUA, 11-10-2016

Começa-se pelo princípio: o meu objectivo era chegar ao aeroporto (de Lisboa) às oito e quarenta e cinco e cheguei às oito e cinquenta. Quem não vê que alguma coisa está a mudar é cego.

O wifi do aeroporto de Lisboa - gratuito, ilimitado e normalmente bastante bom - não estava a funcionar. Ou é culpa do neo-liberalismo ou de alguma falha técnica. Tendo para a primeira: se fosse falha técnica a culpa seria também do neo-liberalismo. Escrevo no telefone, sorte para quem me lê e azar para mim.

Continua-se com a continuação: o Boeing 757 é o pior longo-curso do mundo. É mono-corredor (é assim que se traduz mono-aisle?) e as cadeiras são estreitas. Felizmente têm bastante espaço para as pernas. Valha-nos isso (incluo-me num grupo de provavelmente duzentos e alguns passageiros. A aeronave vai cheia a abarrotar) que a comida e o vinho tinto são a merda do costume. Há quem duvide, mas a TAP é a melhor companhia aérea do mundo, pelo menos uma vez dentro do avião. Até lá chegar isto discute-se. Ou não se discute: não é, ponto.

Bem, dizia eu que o B 757 é uma merda de um avião. Excepto para quem o fábrica e para quem o opera. É económico e tem uma boa capacidade de carga. A American Airlines tem uma pipa deles e eu passo a vida a voar AA, prova se necessária fosse de que não sou rico.

.........
Há outras viagens, mas essas não sei por onde começam. Se pelos olhos se pelas mamas ou - mais provavelmente - pelo olhar e pelo riso. Talvez. São viagens que já comecei muitas vezes. A maioria delas nem chega a começar, aliás. Outras sim. Têm sido boas, quase todas, com excepções. Uma ou duas acabaram mal. Pouco importa onde começam, desde que acabem bem.

E sejam boas, claro.

........
Poucos obesos, hoje. Ainda não vi nenhum. É raro, num voo de ou para os Estados Unidos. Em contrapartida a senhora na fila à frente da minha não pára de falar. É portuguesa e não se cala. O senhor ao lado dela acabou por adormecer e ela agora fala com a vizinha do outro lado. Talvez viajem juntos e o rapaz seja o namorado ou o irmão e a conheça. Há pouco levantei-me para a ver: não tento ouvir o que ela diz e gostaria de saber se há mais nela do que o que oiço. Há: a miúda é gira. Deve ter uns trinta anos. Fala de mais, sem parar, com poucas entoações. Pergunto-me se seria capaz de viver ao lado daquela voz ininterrupta, monocórdica, parece um farol avariado. Não sei. Talvez por eu próprio falar de mais e ser esse o meu defeito de que menos gosto suporto-o mal nos outros.

Talvez. Tenho tantos defeitos que escolher o pior é quase impossível.

........
Escala de cinco horas no aeroporto de Filadélfia. Aproveito para trabalhar. O aeroporto é porreiro: bonito, com wifi gratuito e ilimitado. Se bem me lembro é o primeiro que vejo assim nos Estados Unidos.

Chego a West Palm às nove e meia da noite. Do aeroporto à marina é um trajecto curto, diz-me o armador. Espero que seja.