5.1.17

Da esperança

É tarde e o frio voltou. De fora pouco espero e de dentro igualmente. Não sei como explicar-te que de um olhar se extrai uma pele se se quiser; e se não uma dor ou um alívio. Estas coisas equivalem-se quando nada ou pouco se espera e o muito se procura. Procurar, esperar, dor, alívio. Pele, olhos. Dentro, fora.

Estás dento de mim e fora, vejo-te os olhos mas não a pele, é tarde e está frio, procuro e espero. "O nevoeiro traz", dizes. "É esperança". Prefiro o frio: sei como dele me abrigar. Da esperança não.