8.3.18

Sonhar, tocar

Onde estou? Onde estás? Porque vieste interromper-me a sesta, tão profunda? Deves decerto ter saído do abismo; talvez num raio de luz, vá saber-se.

Sei apenas que dormia e de repente te vi luminosa e bela, sorridente e leve. Não sei onde foi, mas pouco importa. Espero apenas que o encontro se repita, um sono e um sorriso ficam bem juntos, abrir os olhos e ver-te, sonhar-te e tocar-te.

(Para a I. com um beijo).