12.5.18

Diário de Bordos - Paguera, Mallorca, Baleares, Espanha, 12-05-2018

"Se fizeres aquilo de que gostas nunca trabalharás". É mentira, jovens. Não acreditem. Fazer aquilo de que se gosta é trabalhar.

..........
Suponho que isto acontece a todos os que têm uma vida parecida com a minha: um dia chega em que um gajo se apercebe de que faz parte do sítio onde está. Quero dizer, não me interpretem mal: sei perfeitamente que ainda agora aqui cheguei e que não tarda me vou embora. Mas de repente é isto: cheguei. É uma chegada temporária, mas é uma chegada e até me ir embora é aqui que estou, é daqui que sou.

Não tem nada a ver com a mojo hand. É outra coisa. Como se um meteorito um dia andasse às voltas de um planeta e por lá ficasse até lhe reconhecer as montanhas e os vales, os rios e os oceanos. Ou pelo menos percebesse onde estão. Ou um nómada que chega a um oásis desconhecido e começa a conhecê-lo e um dia sabe que na verdade sempre esteve ali porque aprendeu a ver o que todos os oásis têm de semelhante e de diferente.

.........
"There's a shoulder / where death comes to cry", canta Leonard Cohen no you coiso. Penso outra coisa: "Há um ombro onde a vida se vem encostar para descansar" e esse ombro é o meu.

Acolho-a, saciado e ela agradece-me: "fazer o que se gosta não é trabalhar".

É pior. É uma prisão sem barras nas janelas nem guardas armados no pátio. Uma das formas do amor. Uma das formas da plenitude.

........
Há pessoas que não gostam da indústria farmacêutica. Eu gosto. A guerra entre a diabetes e a vida está ganha pela vida graças a um comprimido que tomo duas vezes por dia. Não foi fácil decidir-me - as boas decisões nunca são fáceis nem evidentes - mas a indústria química (de que a farmácia é uma parte, tal como os fabricantes de vinho e outras bebidas) tem aqui um admirador reconhecido.

.........
Comprei o Diário de Alejandra Pizarnik na Babel à tarde e agora acabei a garrafa de Kuei Hua Chen Chiew, um produto da indústria química chinesa. Não há relação nenhuma entre os dois factos, de resto separados por um grande lapso de tempo.

A única coisa que os une é a sequência cronológica agora: o Arvo Pärt que me perdoe, mas vou deixá-lo pela Pizarnik. Os pedaços que li no autocarro mais do que justificam a troca, por difícil que seja (e é). O ideal seria poder ouvir o Part e ler a Pizanik ao mesmo tempo, mas ainda não é hoje.

........

  1. Poderia talvez imaginar-se uma fisga gigante, com a capacidade de atirar pedras para lá da força gravitacional da Terra. Põe-se uma pedra nessa fisga e ela parte não se sabe bem para onde (de propósito, a fisga não foi apontada para lado nenhum em especial).


Essa pedra acabará por aterrar num sítio qualquer do Universo, não é? Que tenha sido ela a escolhê-lo ou não é irrelevante.

A música de Arvo Pärt (juntamente com a de Hildegarde von Bingen, Rachmaninov, Mahler e mais dois ou três) descreve ou pelo menos acompanha a viagem da pedra.

........
O amor é o único poço no qual se cai tanto por vontade como por gravidade. Tem uma vantagem: é uma queda boa. E uma desvantagem: o poço não tem fundo.