8.5.18

Flagrante delito

Um dia serei apanhado em flagrante delito de amor. Já fui apanhado em amor, em delito e em flagrante, mas nunca nos três ao mesmo tempo, como este provavelmente senegalês que agora entrou pelo restaurante a vender aquelas bugigangas que eles vendem, coitados. Aquilo é uma prisão infernal e desde que fiquei a saber isto não o posso esquecer. Vem-me à memória essoutra escravatura, tão mais bonita. Não é?

O homem tem um ar simpático, sorridente - a tristeza não vende - e nada ridículo apesar da merda cor-de-rosa que leva na cabeça.

Eu não tenho nada dessa cor em mim, Deus me livre, excepto talvez a vontade mas essa não se vê. Pelo menos de fora.

Sinto-me um bocadinho como esse senegalês, sem as coisas na cabeça. Estão noutro lado qualquer.