21.8.18

Cafés, Mediterrâneo e de como são as coisas que são como devem ser

Todos os cafés deviam ser assim: pequenos, escuros como igrejas, lugares de reflexão. Este tem o defeito da rádio ligada e as qualidades - muito superiores - do bom gosto na decoração, da beleza das duas senhoras atrás do balcão, uma a cozinhar e outra a servir, ambas a sorrir. Tods os cafés deviam ter a cozinha à vista, como nas igrejas o altar e ter nomes com humor, como este que se chama La Bodeguita del Centro, gosto deste piscar de olhos e ter quadros e fotografias na parede tão bonitos e duas senhoras na mesa lá fora à porta, a única, a conversar tão urbanas, citadinas, mulheres. Só no Mediterrâneo se vêem mulheres assim, o feminsmo nasceu aqui há cinco mil anos pelo menos e nunca mais morreu.

Na parede atrás do balcão um quadro promete "Cocina del mercado" e só pelo cheiro e por ver as senhoras a cozinhar (agora estão as duas) vê-se que sim, é do mercado, de certeza.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.