5.4.20

Querer, às vezes

Às vezes basta uma palavra, uma faísca, um olhar de esguelha, uma vírgula, um acorde musical, a sugestão de um raio de luz entre as folhas de uma árvore, uma planície deitada no olhar por um deus generoso, a luz do nascente a reflectir-se no convés, as curvas arredondadas das montanhas do Jura, o toque involuntário de um antebraço, o sol a brilhar no branco da vaga que a esteira deixou para trás... Tudo tão pouco e daí jorram palavras, sentimentos, a promessa de fixar esse instante para todo o sempre, de o estender até para lá do fim do amor.

Às vezes basta querer encontrar o que não procuraste, o que veio ter contigo sem saber que eras tu, sem tu saberes de onde vem. Às vezes, basta amar.

(Para a A. B., depois de uma conversa sobre números e sentimentos.)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.