19.4.11

Cheiro, tempo

Cheiras a terra molhada, mulher; a terra fértil, infinita. És presente e cheiras a futuro: navego-te e perco-me no tempo, perco o tempo.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.