19.10.12

Cretinices, abismos

O poster que anda por aí a circular com um apelo a uma recepção a Angela Merkel é de uma cretinice tão grande, tão abissal, tão perfeita que se um dia houver um museu da cretinice ele figuraria de certeza logo na entrada, em lugar de destaque.

Diz o seguinte, sobre um fundo de Angela Merkel sorridente, em uniforme nazi e a fazer a saudação:

a) "Portugal, 12 de Novembro" - em fonte gótica, para que todos nos apercebamos bem do que se está a falar, não fosse escapar-nos;

b) "Vamos todos mandá-la à Merkel" - o jogo de palavras é fino, subtil, engraçadíssimo;

c) "Organiza-te" - dia 12 é uma segunda-feira e vai ser preciso faltar ao trabalho.

O melhor, claro, é a fotografia. A diferença entre Angela Merkel e um nazi é tão abissal como a cretinice do poster, pelo que até os cretinos que o fizeram e divulgam se devem aperceber dela. Posso estar enganado, mas algo me diz que essas pessoas saltariam indignadas - indignadíssimas - se alguém chamar escarumba a um preto, gordo a um obeso, maricas a um gay e puta a meia dúzia de senhoras que, coitadas. Mas chamar nazi a alguém que manifestamente não o é é permitido. Tal como ser palerma, de resto.