10.10.12

Fealdade, palavras

Cada vez suporto menos a fealdade. Porque será? (Abro uma excepção para o poema aí de baixo, que é fraquinho, eu sei. Mas como não sou poeta profissional e também feio feio não é, é só fraquinho, que se lixe).

Não deve ser da idade, que nos habitua a ver tanta coisa e tanta gente feia; nem da felicidade, que hoje está um bocadinho melancólica; nem da melancolia, porque não é só hoje. Gente feia, a cuspir fealdade, a ver fealdade, a criar fealdade...

Porra, mandai as palavras para o lupanar de onde nunca deviam ter saído (elas, as palavras).