22.9.13

Diário de Bordos - Red Frog Marina, Bocas del Toro, Panamá, 22-09-2013

É domingo e chove, finalmente, em Bocas del Toro. Finalmente não sou eu que o digo, claro. Por mim podem passar dois anos sem chover, ou vinte. Mas quem depende da chuva para encher os tanques de água está preocupado, naturalmente.

Enfim, foi chuva de pouca dura. Está sol outra vez, e eu como contente o meu brownie enquanto espero o café ("está a fazer" disse-me a senhora que me atendeu. Se fosse em Panamá ter-me-ia rosnado silenciosamente "é quase meio-dia, de que planeta és? Não sabes que a esta hora [agora audivelmente] não há café!"

A esplanada do hotel é bonita mas não merece o nome. Ou pelo menos não é a única a merecê-lo. Tem a mesma vista de todas estas esplanadas, construídas em palafitas em cima da água; e está um bocadinho recuada, de maneira o que vejo é a esplanada ao lado, também ela muito bonita, e do outro lado uma espécie de barco casa que deve fazer passeios com turistas,  não sei.

Estou com sono, com vontade de pensar no trabalho que aí vem e de meia dúzia de coisas, mas sei que tudo se vai resumir a voltar para bordo e tentar dormir uma sesta naquele forno.

Forno esse que dia três de Outubro tem de estar pronto para trabalhar, porque tem trabalho.

Mais rápido do que isto só quando cheguei aos Açores,  sem cheta ou pouca. Gastei quase tudo o que tinha a fazer seis cartazes que distribuí pela cidade.  No dia seguinte tinha os primeiros clientes. Aqui tenho um bocadinho mais de chetas, mas os custos são incomensuravelmente maiores. Ou o HELENA S. começa a trabalhar ou vamos eu e ele passar um mau bocado.

Dia três de Outubro é logo à tarde... A lista de coisas que há para fazer é relativamente curta porque cada uma delas demora muito tempo. Vai estar pronto. Este barco tem uma boa vibração,  bom feitio, boa onda