20.10.13

Diário de Bordos - Lisboa, 20-10-2013

Como-te, Lisboa, bebo-te, cheiro-te, percorro-te, sinto-te cada pedra de cada calçada, de cada rua ou passeio. Vejo-te, visito-te, revisito-me; e ao tempo e aos lugares do tempo: o Jardim da Estrela, o supermercado da Madragoa onde tantas vezes fui fazer compras, a Baixa, a Ginginha das Portas de Santo Antão, a Merendinha do Arco, a Adega dos Lombinhos, a Rua de S. Bento, os jardins da Gulbenkian. Nada me dói, e tu resplandeces como sempre, Lisboa minha, Lisboa nossa, Lisboa de sempre e para sempre.

........

David Mourão-Ferreira:

"O cadáver da noite escura a pedir-me velada
As carroças da insónia a treparem-me as veias

Ver-te subitardente, ó ventriangulada

Range-me entre nós dois a música da areia"

in Entre Julho e Novembro

Mas de entre as espirais confusas quem sabia
se era de novo amor, se era só melodia?

in Infinito Pessoal

Quem foi que à tua pele conferiu esse papel
que mais do que tua pele ser pele da minha pele?

in Do Tempo ao Coração

........
Lisboa recebe-me principescamente: L. vai esperar-me ao aeroporto; hoje fui com A. ver a exposição de Souza-Cardozo, o mais sublime de todos os stakhanovistas.

Percorro a exposição pensando no tipo de música que gostaria de ouvir, e chego à conclusão de que precisaria de toda (ou quase toda, vá) a produção daquela época para cobrir a vastidão da obra.

........
A lei das rendas foi alterada, finalmente. A Lisboa que conhecemos vai mudar.