17.1.14

Sem ti, a noite

Eu sei que é tarde, meu amor. Mas tenho este copo de vinho por acabar, mais teimoso do que os outros; e a máquina da roupa: esperar que termine, estender, pôr a dos brancos (pois, esqueci-me de comprar lexívia).

Eu sei.

Mas nada me espera senão uma noite sem ti; e prefiro um copo de vinho e uma máquina de roupa à tua ausência: sem ti espera-me para sempre.

Sem ti um copo de vinho e uma máquina não acabam e a noite não começa.