17.2.14

Diário de Bordos - Cartagena de Índias, Colômbia, 17-02-2014

Os dias começam todos iguais, mas continuam de forma diferente. Hoje, por exemplo, houve cinco grandes diferenças: cinco passageiros que, se confirmarem nos enchem o bote. E a barriga num restaurante decente: o gás acabou-se-nos há três ou quatro dias e andamos desde aí a comer ou sandes ou comida manhosa e baratucha.

Esta história do gás tem que se lhe diga; mas antes há que acabar a história deste meio-dia: J., o amigo e passageiro e salvador in extremis está a reparar o dinghy, que tem mais buracos do que muitas camisas de alguns sem-abrigo.

O HELENA S. vinha com uma (creio) ou duas garrafas de gás pequenas, da Camping Gaz. Em Bocas enchê-las leva quatro dias no mínimo, porque as garrafas têm de ir não sei para onde. Quando apareceu este grupo para Cartagena uma delas estava vazia e a outra a uso havia um bom bocado.

Comprei uma garrafa suplente, não fosse o diabo tecê-las. Mas o diabo tece-as quando quer e lhe apetece. Felizmente o gás só acabou depois de alguns dias em Cartagena, já todos os passageiros tinham desembarcado. A garrafa que comprámos em Bocas tem propano em vez de butano e estamos sem poder cozinhar desde aí. Em Cartagena ninguém enche garrafas de butano, e nenhum dos trezentos e cinquenta (aproximadamente, claro) reguladores que temos a bordo serve nestas garrafas.

Três dos passageiros devem confirmar hoje, e assim que pagarem vamos comer como deve ser. Abaixo as sandes e as pastas manhosas; viva a boa e honesta comida colombiana.

........
Temos seis passageiros, a preços um bocadinho abaixo do normal. Uns porque desembarcam em San Blas, outros porque vão de ida e volta, outro porque nos está a reparar o dinghy.

S. dizia-me que os preços vão subir; não será decerto por causa do HELENA S.

Bom bom seria que os nossos fornecedores também estivessem em fase de lançamento no mercado; felizmente não estão: é tudo gente experiente e recomendada.