2.9.14

Desejo, tempo

Talvez tenha chegado a altura de falar do desejo. Não sei. Descobres espantado que o desejo te é indiferente. Eugénio de Andrade chamava-lhe Esse cão. Não merece tanto. Desejo é o nome que se dá aos efeitos de um conjunto formado por uma cabeça duas mamas e um ventre. Não há cães metafísicos, cães ideais, cães gnósticos. Há cães e ausência de cães.

No meio há nada.

Enfim, há. Um corpo, um sorriso, um ventre ou duas mamas, uma frase. Mas a isso não se chama desejo, e muito menos cão. Chama-se noite, solidão, o que quiseres. Mas não desejo.

Há quem lhe chame tempo, por exemplo.