9.3.15

Diário de Bordos - Jacksonville, Flórida, Estados Unidos, 08-03-2015

Não vale sequer a pena falar da música, é como um gajo ir para Marte e queixar-se do frio ou da falta de oxigénio; nem das televisões: idem.

De resto o lugar é indubitavelmente agradável. Chama-se Dos Gatos. Escuro ma non troppo, decoração ecléctica mas equilibrada (tijolos rústicos, tecido urbano, iluminação cuidada), bom ambiente (isto é, as miúdas são giras). Até a música seria bem escolhida, se estivesse mais baixo.

Agora está a passar uma de que o Pedro gostava e passava muitas vezes, quando trabalhávamos no Marchand de Sable. A maioria dos clientes do Dos Gatos ou não era nascida ou era jovem nessa altura. O Pedro escolheu morrer como vivia e isso chateia-me e a verdade é que ainda penso nele muitas vezes, trinta anos depois oiço a porra da música (não me lembro do nome, creio que é de um grupo chamado Van Halen mas não tenho a certeza) e catrapumba, lá me vem o Pedro e a última vez que o vi, num restaurante chamado Castafiore, na Parede; e as vezes todas que os vi antes dessa, os copos e as farras que fizemos juntos.

A loja do teu Pai agora é um banco, Pedro, mas isso já tu o sabes de certeza, tinhas uma irmã e um irmão, não era? Não me lembro dos nomes deles. Só me lembro de ti e da tua estúpida morte e da tua estúpida vida e de quanto gostávamos de ti, a S. e eu. O Dos Gatos é como o bar do Marchand, ficas pelo menos a sabê-lo. Maior e adaptado aos tempos, mas é o mesmo.

Se um dia tiver um bar chamar-lhe-ei Buñuel, não terá música (ou excepcionalmente, baixinha, quase em surdina; ainda mais excepcionalmente ao vivo - um violino, um sax, uma harpa, uma flauta -. Música para ouvir). E terá um limite de idade. Inferior, claro. Talvez lhe chame Cresca e Apareça. (O Pedro nunca cresceu, mas seria admitido, se aparecesse, os caracóis negros revoltos e violentos, sorriso escancarado, histórias de mulheres e milhares de histórias).

........
O caso é semelhante ao do Maistre quando saiu da prisão: queria ir para casa mas os seus passos levaram-no para casa de uma Madame cujo nome não recordo. Eu fui à Western Union buscar dinheiro e queria ir para casa mas os meus pés, tal magnetos dirigidos por um íman inelutável levaram-me ao Candy Apple e respectivo Warres 2003 LBV de novo.

De lá ao Dos Gatos foi um salto e não precisei de íman nenhum.

........
Mas isto foi ontem. Hoje fabriquei um dia estúpido como só eu sei fazê-los. Queria ir a St. Augustine e acabei num restaurante libanês de Jacksonville a beber arak e a comer hummus e a ouvir xaropadas - com excepção dos dois Leonard Cohen que passaram, isto deve estar num daqueles programas de mistura profunda, salta de Marianne para Júlio Iglésias (suponho. Era em espanhol) -.

O arak é mais barato do que o vinho. Há coisas cuja lógica me escapa completamente.

Vou gastar mais dinheiro do que queria, claro. Mas pelo menos posso voltar a pé para o hotel, uma espelunca que tem a vantagem de estar perto do centro.

........
"Nomadiser reste l'apanage des plus forts parmi les sédentaires. Et la puissance appartient toujours à ceux qui circulent pour vendre ou conquérir, négociants ou guerriers, marins en tous cas."

Jacques Attali, in Chemins de Sagesse. Traité du Labyrinthe. Ed. Fayard, Paris.

........
"I spent most of my dough on booze, broads and boats and the rest I wasted."

Elmore Leonard

........
Ontem fui dar um passeio à beira-rio. Arranjadinho, bonito, chato. Nem a nortada gélida conseguia devolver um bocadinho de vida àquilo.