8.4.15

Diário de Bordos - S. Luís, Maranhão, Brasil, 08-04-2015

Não lavei a loiça do jantar. A Frankie's House tem uma senhora da limpeza chamada Josimara - ou, mais correctamente, Santa Josimara - e deixei-lhe a tarefa. Mai-la frigideira do pequeno-almoço, de resto.

O Brasil está cheio de pessoas assim: Josimara, Maciel... Pessoas por quem tenho um infinito respeito e que mereceriam muito mais do que o que têm.

O Maciel, por exemplo. Uma história brasileira: segundo de três filhos "educados sem pai". A mãe veio para S. Luis com eles quando Maciel tinha doze ou treze anos e ele interrompeu os estudos para ajudar a sustentar a família.

Maciel é curioso, só vê programas educativos na televisão: documentários, progaramas de viagens, etc. No dia seguinte comenta-os comigo, faz perguntas boas, inteligentes, de quem quer saber  mais.

É honesto ao cêntimo. Emprestei-lhe dinheiro para tirar um curso de condutor de máquinas - que acabou por não fazer por causa daquele conjunto de coisas a que se chama Brasil - e quando voltei perguntei-lhe como estavam as contas (o dinheiro era pago com as viagens que ele fazia comigo para o estaleiro e depois começou a fazer com o Frank - ou seja, não era um empréstimo. Era um pagamento adiantado). "Devo-te cento e trinta e cinco reais".

Na segunda-feira veio buscar-me ao aeroporto - é de uma pontualidade absolutamente notável em qualquer parte do mundo. No Brasil parece simplesmente um extra-terrestre - . Na véspera tinha passado um programa sobre Cuba e a conversa foi, naturalmente, sobre os médicos cubanos que o Brasil importou, a pobreza dos cubanos, etc.

Acabou a dizer-me "ainda há quem se quer ir embora do Brasil. Podem ir todos. eu fico"

........
Eu não fico, Maciel, mas tenho pena.

Oiço Jeanne Lee acompanhada por Mal Waldron neste casarão lindo, bebo o excelente café da santa e planeio o dia - seleccionar roupa a levar para o Panamá, arrumar o resto das coisas, ir à Poeme-se buscar dois livros, dormir  a sesta, beber uma cachaça no Baptista, enviar dois ou três mails de trabalho, escrever meia dúzia palermices, não necessariamente por esta ordem -.

E penso na sorte que tenho.